Google Tag Manager

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Hungaros famosos no Brasil e no mundo

Húngaros famosos no Brasil e no mundo.

Húngaro brasileiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre
 
Húngaro brasileiro
Húngaro-Brasileiro · Magyar Brazíliai
Roberto Justus.jpg Kevin Kuranyi 2005.jpg
Notáveis ​​brasileiros húngaros:
Roberto JustusKevin KuranyiGustavo EndresMurilo Endres
Total da população
80.000 brasileiros húngaros [1] ~ 100.000 [1]
Regiões com população significativa
Brasil : Principalmente do sul e sudeste do Brasil
Línguas
Predominantemente Português
Religião
Predominantemente católica , alguns judeus
Relacionados grupos étnicos
Outros brancos brasileiros e povo húngaro
Húngaro Brasileira ( Português : húngaro-brasileiro ou magiar-brasileiro) é uma pessoa de ascendência brasileira completa, parcial, ou predominantemente húngara, ou uma pessoa húngara residente no Brasil.
 
Apesar de húngaros étnicos viverem em todos os países da América do Sul , a vida ativa da comunidade e as organizações só existem no Brasil , Argentina , Chile , Venezuela e Uruguai .  

Embora os dados oficiais do censo não estão disponíveis, de acordo com estimativas variando muito nos locais, 850.000 a 1.000.000 brasileiros são de ascendência húngara.  

No caso de Argentina e Brasil, a discrepância entre as estimativas podem ser provenientes do fato de que as diásporas húngaras nestes dois países podem olhar para trás para um século e meio da história, e o fato de que a identidade étnica do primeiro não- população geração de origem húngara é já vago em muitos casos.  

Em termos de organização e coesão social, as mais fortes comunidades húngaras são aquelas no Brasil e Argentina.

Conteúdo

História

De acordo com os dados recebidos das comunidades locais húngaras, o número de avós e pais que imigraram da Hungria para o Brasil está entre 33.000 e 65.000.  

Seus descendentes já nascidos no país e que ainda gravam sua origem húngara pode citar algum número de 145.000 para 310.000.
 
O provedor de dados cita como um ponto de interesse a estimativa de vários pesquisadores que 150.000 pessoas imigraram da década de 1890 até 1957, enquanto, de acordo com a publicação do Instituto Geográfico da Academia Húngara de Ciências e da fonte da Federação Mundial dos Húngaros, este número situa-se entre 70.000 e 90.000.  

Observa a este respeito que ele não sabe a data da preparação dos dados e não têm qualquer forma de provar a sua autenticidade. A maioria dos húngaros no Brasil residem em São Paulo e as zonas circundantes. 500 a 1.000 pessoas visitam os eventos da Hungria , e 100-200 participaram  húngaros programas festivos .

Vida no Brasil

São Paulo recebeu muitos imigrantes húngaros .
As relações entre a comunidade húngara eo anfitrião povo brasileiro , da sociedade e do Estado, como as do outro emigrante e imigrante grupos étnicos, estão acima de qualquer reprovação.  

Não tem representação partidária ou política do seu próprio.  

Por outro lado, os húngaros no Brasil têm duas instituições com personalidade jurídica, o brasileiro Húngaro Aid Association (Associação Beneficente 30 de Setembro), criado há 76 anos, que mantém uma casa para a (idade, com 25 residentes no presente, eo brasileiro Hungarian Cultural Association (Sociedade Cultural Brasileira-Húngara).
 
As próprias organizações da Casa Húngara (Casa Húngara), com um auditório para 100 pessoas, de 1.000 volumes da biblioteca , uma sala de conferências, sala de comunidade de jovens, um escritório, uma sala, cozinha e sala de jantar.  

Além das duas organizações acima mencionados, as outras associações húngaras - o Kálmán Könyves Egyetem ou Universidade Livre , o Círculo de Amigos dos Meninos escoteiros, o Literário Círculo, o Círculo Bíblia, Associação das Mulheres da Hungria de São Paulo , o Clube de Ténis, grupos folclóricos de dança, e assim por diante - realizam as suas reuniões na Casa Húngara.  

As tropas de escoteiros menino-ativas no âmbito da América do Sul, Distrito do húngaro Boy Scout-Federação Exterior mantem dois escoteiro-parques, além das instalações das tropas da cidade.
 
O governo húngaro afirma que há entre 80.000 e 100.000 brasileiros de descendencia húngara [2] , a maioria deles vivendo em São Paulo e de 8-10% no Rio de Janeiro.

A Família Hungria

Os húngaros irmãos João Carlos e Francisco Hofbauer (Português escrito) vieram para o Brasil da cidade de Raab (hoje Győr ) em 1826, fugindo da perseguição política.  

No momento de chegar ao Brasil, eles mudaram seus sobrenomes de Hofbauer para Hungria (Hungria, em Português), fundando a família Hungria no Brasil. [3]

Cultura

Tradicionalmente, as tropas de escoteiros meninos-cuidam da instrução da língua húngara.  
Graças a uma competição ganharam do Público o Apaczai Foundation que enviou um professor da Hungria e era ativo em São Paulo em 2001, instruindo 80 alunos para a satisfação de todos.  

Além disso, a Igreja Luterana mantém uma creche húngara em linguagem.  

No início de 2003, um candidato brasileiro conseguiu em nono lugar vencer a uma bolsa do Ministério da Educação húngaro e da Federação Boy Scout-húngaro no Exterior. O interesse para novas bolsas recentemente declina porque os três candidatos que aderiram à Bálint Balassa Institute, em Budapeste , durante o período de verão, ficaram sem bolsa e alojamento e tiveram que voltar para casa. O evento foi recebida com consternação pelo húngaros no Brasil.
 
Em 1996, um monumento foi erguido nesta praça para comemorar o aniversário de 1100 anos da chegada de tribos húngaras na bacia dos Cárpatos.  

O conjunto de São Paulo estabeleceu um salão de exposição permanente, onde cada grupo étnico imigrante pode exibir um objeto de arte. Os húngaros têm mostrado um quadro com um motivo húngaro por um artista local contemporâneo.  

Há poucos húngaros língua em publicações de imprensa hoje no Brasil. [2] O Hirado bilíngüe (Notícias - cerca de 20 páginas) é publicada a cada três meses e tem uma página independente em Del-Amerikai Hírlap (Boletim húngaro), publicado em Buenos-Aires .  

Recentemente, o Havi bilíngüe Értesítő (Boletim Mensal) é enviado eletronicamente a cada dois meses para os membros da comunidade.
Hoje, há 18 sociedades húngaras culturais no Brasil [4] .

Religião

No Brasil , a atividade da igreja no idioma húngaro é assegurada apenas a um nível satisfatório.

  Desde o início da década de 1930 na Igreja Católica os serviços são prestados por monges beneditinos enviados da Hungria para o trabalho pastoral aqui.  

Durante suas atividades de perto de sete décadas, além de seu mosteiro e da igreja, eles fundaram e construíram um dos mais importantes colégios de  São Paulo, O Colégio Santo Américo do Morumbi, de alto padrão e escola privada (desde a creche ao ensino médio  com diploma), com uma sala de residência, biblioteca, areas culturais e desportivas .  

(Durante sua visita ao Brasil, o Papa João Paulo II esteve hospedado no  Imre College).  

Apenas quatro dos fundadores originais, com  mais de 75 anos de idade e capazes de trabalhar, estão vivos hoje.  

Como a sua substituição pela ordem Provincial da Hungria não pode ser assegurada, este patrimônio húngaro de emigrantes veio a ficar sob a administração da Associação Brasileira da Igreja Católica e a autoridade municipal responsável pela educação.

  O templo da Transilvânia ao estilo da Igreja Reformada da Hungria foi construído em 1932, não tem ministros durante anos e os serviços são comemorados pelos mais velhos.

 Os serviços da igreja luterana tem funções em uma casa (templo e casa paroquial) alugado pela Federação Luterana Mundial com europeus ministros convidados enviados para um determinado período de tempo.  

Há também o ex-Húngaro edifício, atualmente chamado de  Primeira Igreja Batista Reformada Húngara, que recentemente mudou seu nome para Igreja Batista Metropolitana, no bairro Lapa de São Paulo, na rua Pio XI.  

Uma grande comunidade húngara ergueu esta igreja em meados do século 20, e realizou serviços em húngaro até 1998.

 Hoje todos os serviços estão em Português, mas alguns descendentes da comunidade húngara ainda podem ser visto nesta igreja.
 
As organizações húngaras mantem amplas relações com a Magistratura Municipal de São Paulo, que fornece um site a cada a cada grupo étnico com raízes estrangeiras.  

Assim, a comunidade húngara também teve o seu site independente, que foi ampliado após fevereiro de 2003. Além disso, a liderança inaugurou na cidade  uma praça no bairro da Vila Mariana a Praça do Povo Húngaro para homenagear a Revolução de 1956.

Notáveis ​​brasileiros húngaros

Ver também

Referências



Húngaros famosos em todo o mundo.

Lista dos húngaros mais ilustresOrigem: Wikipédia, a enciclopédia livrehttp://en.wikipedia.org/wiki/List_of_Hungarians 
Segue uma lista de húngaros proeminentes, a maioria dos quais veio a ser famoso no interior da Hungria, em vez de no exterior.  

Veja na sequência a lista de húngaros famosos que nasceram fora a atual Hungria.Conteúdo

    
1 Artistas
    
2 profissionais de negócios
    
3 compositores e intérpretes
    
4 artistas de Cinema
    
5 História e política
    
6 Inventores
    
7 cientistas
    
8 Escritores
    
9 Sports
    
10 Ver também
    
11 Referências
    
12 Ligações externas
Artistas    Gyula Aggházy
    
Károly Alexy
    
Károly Antal
    
Miklós Borsos
    
Sándor Bortnyik
    
Tivadar Csontváry Kosztka
    
Gyula Donath
    
János Fadrusz
    
Béni Ferenczy
    
István Ferenczy
    
Arpad Feszty
    
János Horvay
    
László Hudec
    
Miklós Izso
    
Ede Kallos
    
Paul László
    
Zsigmond Kisfaludi Strobl
    
Miklós Ligeti
    
Imre Makovecz
    
Ede Margo
    
Csaba Markus
    
Zsuzsa Máthé
    
László Moholy-Nagy
    
János Pasztor
    
József Rona
    
Francois Szalay - Colos
    
Henriett Seth-F.
    
Albert Schickedanz
    
Pal Szinyei Merse
    
László Szlávics, Jr.
    
Mor do que
    
János Tornyai
    
Lajos Vajda
    
Victor Vasarely
    
Janos Vaszary
    
Nandor Wagner
    
Istvan Orosz

Os profissionais de negócios

    
Lea Gottlieb (nascido em 1918), designer de moda israelense e fundador da Gottex
    
Radovan Jelašić, governador do Banco Nacional da Sérvia
    
Daniel Bálint, governador de Wakeboard
    
György Soros, húngaro-americano magnata dos negócios, investidor, filósofo e filantropo.


Para saber mais, clique em Mais informações, abaixo.




Compositores e intérpretes

    
Attila Csihar, vocalista
    
Bálint Bakfark, compositor
    
Béla Bartók, compositor e pianista
    
Gergely Bogányi, pianista
    
Ernő Dohnányi, pianista, compositor e maestro
    
Antal Dorati, condutor
    
Peter Eötvös, compositor e regente
    
Ferenc Erkel, compositor
    
Peter Frankl, o pianista
    
Endre Granat, violinista
    
Zoltán Jeney, compositor
    
Joseph Joachim, violinista
    
Pál Kadosa, compositor
    
Zoltán Kocsis, o pianista e maestro
    
Zoltán Kodály, compositor
    
György Kurtág, compositor
    
Franz Lehár, compositor
    
György Ligeti, compositor
    
Franz Liszt, compositor e pianista
    
Éva Marton, soprano
    
János Négyesy, violinista
    
Ervin Nyíregyházi, pianista
    
Eugene Ormandy, maestro
    
György Pauk, violinista
    
László Polgár, baixo
    
Fritz Reiner, maestro
    
Eduard Remenyi, violinista
    
Fala, rapper
    
Georg Solti, regente
    
László Vidovszky, compositor
Artistas de cinema

    
Johnny Weissmuller
    
Michael Curtiz
    
Harry Houdini
    
Cicciolina
    
Átila Dargay
    
Zsa Zsa Gabor
    
Paul Lukas
    
Eva Gabor
    
Lajos Koltai
    
Róbert Koltai
    
Alexander Korda
    
Ferenc Rofusz
    
Vilmos Zsigmond
    
Gábor Reviczky
    
László Kovács
    
Miklós Jancsó
    
Károly Makk
    
George Pal
    
Ferenc Rófusz
    
István Szabó
    
Béla Tarr
    
Andrew Vajna
    
Béla Lugosi
    
Peter Lorre
    
Gyula Kabos
    
Gabriel Pascal
História e políticaHerzl TivadarKárolyi MihályTeddy Kollek

    
Albert Apponyi (1846-1933), estadista
    
Almásy László (1895-1951), explorador do deserto, o autor, a inspiração para o personagem ficcional de Almásy em Michael Ondaatje, O Paciente Inglês
    
Andrássy Gyula (1823-1890), estadista
    
Antall József (1932-1993), primeiro-ministro (1990-1993)
    
Bakócz Tamás (1442-1521), arcebispo, cardeal e estadista
    
Baross Gábor (1848-1892), estadista
    
George Soros (1930), o investidor de ações, filantropo e ativista político
    
Erzsébet Báthory (1560-1614), "serial killer" condessa
    
István Báthory (Stephen Báthory):
        
István Báthory (1477-1534), governador da Transilvânia
        
István Báthory (1533-1586), príncipe da Transilvânia e rei da Polônia
    
Báthory Zsigmond (1572-1613), príncipe da Transilvânia
    
Beöthy Ödön, (1796-1854) deputado, húngaro e orador
    
Béla Bugár (1958 -), político
    
Pál Csáky (1956 -), político
    
Dessewffy Aurel, (1808-1842), jornalista e político
    
Fessler Ignaz Aurelius, (1756-1839), quadra de conselheiro e ministro de Alexandre I
    
Hadik Andreas (1710-1790), Conde
    
Herzl Tivadar (1860-1904), jornalista, * sionismo moderno
    
Miklós Horthy (1868-1957), almirante e regente. (1920-1944)
    
I. István (Estevão I, Szent István, Stephanus Rex) (975-1038) rei húngaro primeiro
    
Anna Catharina Grandon de Hochepied
    
Frei Julian
    
János Kádár (1912-1989), líder comunista
    
Károly Robert (Charles I) (1288-1342), rei da Hungria (1308-1342)
    
Károlyi Mihály (1875-1955), primeiro presidente da Hungria (1919)
    
Kossuth Lajos, (1802-1894), político húngaro depois Regent-presidente da Hungria
    
Teddy Kollek (nascido Kollek Tivadar; 1911-2007), o prefeito israelense de Jerusalém
    
Béla Kun, (1886-1939?) Ministro, revolucionário (1919) *
    
I. Lajos (Nagy Lajos) (Luís I) (1326-1382), rei da Hungria (1342-1382)
    
József Mindszenty (1892-1975), cardeal, condenado pelo governo comunista
    
Imre Nagy (1896-1958), primeiro-ministro (1956)
    
Pataki, George, American, o governador de Nova York
    
Rákosi Mátyás (1892-1971), Secretário Geral do Partido Comunista Húngaro
    
Szálasi Ferenc (1897-1946), Chefe da Cruz de Flechas Party, Chefe de Estado, primeiro-ministro 1944-1945
    
Conde Széchenyi István (1791-1860)
    
Tisza István (1861-1918), primeiro-ministro húngaro 1903-1905 e 1913-1917.
    
Tomas András (Tamás András), húngaro II Guerra Mundial prisioneiro que foi encontrado em um hospital russo mental na década de 1990 e voltou para a Hungria, depois de 55 anos.
    
László Tőkés (1952 -), pastor calvinista étnica húngara na Roménia, que ajudou a desencadear a revolução que derrubou Nicolae Ceausescu em 1989
    
Conte Zrínyi Miklós (1508-1566), húngaro geral e herói que defendeu Szigetvár contra turcos otomanos.
    
Conte Zrínyi Miklós, (1620-1664), húngaro geral, estadista e poeta.
    
János Zsámboky, humanista
    
Tom Lantos (1928-2008), o ex-congressista dos EUA da Califórnia
InventoresJános IrinyiOszkár AsbothAnyos Jedlik

    
Donat Banki, inventor da turbina tangencial
    
János Csonka, inventor do carburador
    
Erno Rubik, o inventor do Cubo de Rubik, 1976
    
Ottó Bláthy, inventor do regulador de tensão, co-inventor do transformador
    
Miksa Déri, ​​co-inventor do transformador
    
Anyos Jedlik, co-inventor do dínamo 1861 e água de soda, 1826
    
János Irinyi, inventor do jogo silencioso de 1836
    
Kálmán Kando, inventor de energia elétrica de tração ferroviária
    
Tivadar Puskás, inventor da central telefônica
    
Kálmán Tihanyi, inventor de tubos de raios catódicos, o inventor do avião sem homem, o primeiro na Grã-Bretanha
    
Károly Zipernowsky, co-inventor do transformador
    
Csaba Horváth, inventor da cromatografia líquida de alta eficiência
    
László Bíró, inventor da caneta esferográfica, 1931
    
János Neumann, inventor do computador, 1944
    
Joseph Pulitzer, inventor do Prêmio Pulitzer de 1917
    
József Galamb, criador do modelo Ford T de 1908
    
Ferenc Anisits, inventor do motor diesel BMW de 1983
    
Joseph Petzval, inventor do Binóculo, 1840
    
Oszkár Asboth, inventor do helicóptero, 1928
    
Dénes Gábor, inventor da holografia, 1947
    
József Dobos, criador do bolo Dobos, 1884
Os cientistas

    
Avram Hershko (nascido em 1937, como Herskó Ferenc), bioquímico húngaro israelense e Prêmio Nobel de Química
    
Zoltán Bay
    
Máté Hidvégi
    
János Bolyai
    
Farkas Bolyai
    
Béla Barényi
    
Maria Telkes
    
Charles Simonyi (Karoly)
    
Michael Somogyi
    
Thomas Sebeok
    
Victor Szebehely
    
Albert Szent-Györgyi inventor da vitamina C de 1932
    
Leo Szilard
    
Edward Teller
    
Eugene Wigner
    
Loránd Eötvös
    
Franz Nopcsa von Felső-Szilvas
    
Jozsef Szabo von Szentmiklos
    
Richard Adolf Zsigmondy
    
Dennis Gabor
    
Gergely Berzeviczy
    
János Kornai
    
Johann Baptiste Horvath
    
Companheiro Hidvegi
    
Eugene Wigner
    
Robert Bárány
    
Georg von Békésy
    
Cornelius Lanczos
    
George Andrew Olah
    
Valentine Telegdi
    
George de Hevesy
    
Paul Erdös
    
John Von Neumann
Escritores

    
Endre Ady
    
János Arany
    
Babits Mihaly
    
Bálint Balassi
    
János Batsányi
    
Elek Benedek
    
Dániel Berzsenyi
    
Mihály Csokonai Vitez
    
Péter Esterházy
    
Mihály Fazekas
    
András Fay
    
Géza Gardonyi
    
Géza Gyóni
    
István Gyöngyösi
    
Mór Jókai
    
Attila József
    
Kálmán Kalocsay
    
Lajos Kassák
    
József Katona
    
Ferenc Kazinczy
    
József Kármán
    
Zsigmond Kemény
    
Imre Kertész
    
Sándor Kisfaludy
    
Ferenc Kölcsey
    
Imre Madách
    
Sándor Márai
    
Ferenc "Franz" Louis Molnár
    
Ferenc Móra
    
Zsigmond Móricz
    
András Petocz
    
Sándor Petőfi
    
Miklós Radnóti
    
Agnes Rapai
    
Jenő Rejtő
    
Lorinc Szabó
    
Magda Szabó
    
András Suto
    
Sebestyén Tinódi Lantos
    
Árpád Tóth
    
Mihály Vörösmarty
    
Albert Wass
    
Ze'ev
    
Nikola Zrinski
Esportes

    
A Equipe de Ouro, famoso time de futebol nacional húngaro
    
Robert Antal (1921-1995), campeão olímpico de pólo aquático jogador
    
Péter Bakonyi (1938 -), esgrimista de sabre, Jogos Olímpicos 3 tempo bronze
    
Viktor Barna (nasceu "Győző Braun") (1911-1972), 22 vezes campeão do mundo jogador de tênis de mesa, mesa International Tennis Hall of Fame Foundation ("ITTFHoF")
    
István Barta (1895-1948), campeão olímpico de pólo aquático jogador, prata
    
Laszlo Bellak (1911-2006), 7 vezes campeão do mundo jogador de tênis de mesa, ITTFHoF
    
Gyula Bíró (1890-1961), o meia / frente futebolista (selecção nacional) [1] [2]
    
Balázs Borbély (1979 -), jogador de futebol
    
Gedeon Barcza (1911-1986), jogador de xadrez
    
Zsolt Baumgartner (1981 -), piloto de Fórmula Um, 2003-04, Jordan-Ford (2 corridas, subbing para feridos Ralph Firman) 2003, Minardi-Cosworth de 2004, todos os 18 Grand Prix, 1 ponto (Indianapolis GrandPrix)
    
Tibor Benedek (1972 -), waterpolo jogador, campeão olímpico: Sydney 2000, Atenas 2004, Pequim 2008
    
Pál Benko (1928 -), jogador de xadrez
    
Gyula Breyer (1894-1921), jogador de xadrez
    
György Brody (1908-1967), água goleiro polo, 2 tempo-campeão olímpico
    
Ákos Buzsáky (1982 -), jogador de futebol
    
Ibolya Csák, vencedor do salto elevado das mulheres, em 1936 Summer Olympics
    
Zoltán Czibor (1929-1997), jogador de futebol
    
Tamás Darnyi, o nadador (quatro medalhas de ouro olímpicas)
    
Krisztina Egerszegi, o nadador (cinco medalhas de ouro olímpicas)
    
Ilona Elek, esgrimista de sabre (ouro olímpico antes e depois da Segunda Guerra Mundial)
    
Arpad Elo, (1903-1992), húngaro-americano criador do sistema de classificação de xadrez Elo
    
Zsolt Erdei, boxer, WBO dos meio-pesados ​​o campeão mundial
    
Sándor Erdös, esgrimista épée, campeão olímpico
    
Dr. Dezso Foldes, esgrimista de sabre, 2-tempo campeão olímpico
    
Samu Foti, olímpica de prata (exercícios de ginástica equipe combinada)
    
Dr. Jenö Fuchs, esgrimista de sabre, 4 tempo-campeão olímpico [3]
    
Tamas Gábor, esgrimista épée, campeão olímpico
    
János Garay, esgrimista de sabre, campeão olímpico, prata, bronze
    
György Gedo, campeão olímpico luz flyweight boxer
    
Sándor Geller, o goleiro de futebol, campeão olímpico
    
Imre Gellért, olímpica de prata (exercícios de ginástica equipe combinada)
    
Zoltán Gera C, Ferencvaros, West Bromwich Albion e Fulham Futebolista.
    
Dr. Oskar Gerde, esgrimista de sabre, 2 tempo-campeão olímpico
    
Aladar Gerevich, esgrimista (seis medalhas de ouro olímpicas)
    
Károly Gogolak, (1944 -), futebol americano # draft pick 1 do Washington Redskins
    
Péter Gogolak, (1942 -), futebol americano inventadas "estilo de futebol" chutando-jogado para o NY Giants e Buffalo Bills
    
Dr. Sándor Gombos, esgrimista de sabre, campeão olímpico
    
Gyula Grosics, goleiro para o time de futebol de Ouro Magyar 1950-54 invicto
    
Béla Guttmann, o meia, time de futebol nacional e internacional jogador treinador
    
Andrea Gyarmati, nadadora olímpica de prata (100 m costas) e bronze (100 m borboleta); Campeonatos Mundiais de bronze (200 m costas), International Swimming Hall of Fame
    
Dezső Gyarmati, jogador de pólo aquático (triplo campeão olímpico)
    
Alfréd Hajós (nascida Arnold Guttmann), o nadador 3 Tempo-campeão olímpico (100-m livre, 800 m livre, revezamento, 1.500 m livre), International Swimming Hall of Fame
    
Mickey Hargitay, fisiculturista e ator
    
Nándor Hidegkuti (1922-2002), jogador de futebol
    
Endre Kabos, esgrimista de sabre, 3-time campeão olímpico, bronze
    
Béla Károlyi (1942 -), primeiro treinador de ginástica (húngaro étnico viveu na Roménia, agora um cidadão dos Estados Unidos)
    
Károly Karpati (também "Károly Kellner"), Olympic lutador campeão (freestyle leve), de prata
    
Ágnes Keleti, 5 vezes campeão olímpico de ginástica (exercícios 2 hora de piso, barras assimétricas, exercícios no chão, trave de equilíbrio, exercícios equipe com aparelhos portáteis), 3-tempo de prata (2 tempo da equipe de exercícios combinados, individuais exercícios combinados), 2 tempo bronze (barras assimétricas, exercícios de equipe com aparelhos portáteis), Hall da Fama Internacional de Ginástica [4]
    
Kincsem (1874-1887), cavalo de corrida de maior sucesso na história do mundo
    
Sándor Kocsis (1929-1979), jogador de futebol
    
Zsuzsa Körmöczy, jogador de tênis, ganhou 1958 Singles francês
    
Pál Kovács, esgrimista (seis medalhas de ouro olímpicas)
    
István "Koko" Kovács, pugilista, campeão olímpico e campeão mundial WBO
    
Lily Kronberger, quatro vezes campeão mundial de patinação artística, 2 tempo de bronze, World Figure Skating Hall of Fame [5]
    
Peter Leko (1979 -), jogador de xadrez, atualmente classificado 10 do mundo
    
Imi Lichtenfeld, boxer e lutador, desenvolveu o sistema de auto-defesa Krav Maga
    
Andor Lilienthal (1911-2010), jogador de xadrez
    
Johann Lowenthal (1810-76), jogador de xadrez
    
Zoltán Magyar (1953 -), duas vezes medalhista de ouro olímpico pomo cavalo
    
Gyula Mandi, meia volta futebolista (jogador e treinador das equipas nacionais)
    
Géza Maróczy (1870-1951), jogador de xadrez
    
József Munk, prata olímpico nadador (4x200 m livre, revezamento)
    
Opika von Horváth Meray, três vezes campeão mundial de patinação artística
    
Henrietta Onodi, ginasta olímpico medalha de vencedor (ganhou o ouro, prata em Barcelona em 1992)
    
László Papp, boxer (triplo campeão olímpico)
    
Átila Petschauer, esgrimista de sabre, 2 tempo da equipe campeã olímpica, prata
    
Anna Pfeffer (nascido em 1946), húngaro medalhista olímpico de sprint canoer
    
Judit Polgár (1976 -), jogador de xadrez
    
Zsuzsa Polgár (1969 -), jogador de xadrez
    
Zsofia Polgár (1974 -), jogador de xadrez
    
Imre Polyak Olímpico e Campeão do Mundo lutador greco-romano
    
Lajos Portisch (1937 -), jogador de xadrez
    
Ferenc Puskás (1927-2006), futebol (soccer)
    
Béla Rajki-Reich (1909-2000), treinador de natação e pólo aquático treinador
    
Emilia Rotter, skater par, Campeonato Mundial de ouro 4 tempos, de prata, Olympic 2 tempo bronze
    
Miklós Sárkány, 2 vezes campeão olímpico de água jogador de pólo
    
Zoltán Ozoray Schenker, esgrimista de sabre, campeão olímpico
    
Gusztáv Sebes (1906-1986), húngaro nacional treinador de futebol
    
Anna Sipos, 11 vezes campeão do mundo jogador de tênis de mesa, ITTFHoF
    
Tamás Sipos, comentarista esportivo e escritor, ex-diretor da televisão húngara
    
Les Murray (nascido László Urge, 1945 -), australiano emissora de futebol, esportes jornalista e analista.
    
László Szabados, nadadora olímpica de bronze (4x200 m livre, revezamento)
    
Miklos Szabados, 15 vezes campeão do mundo jogador de ténis de mesa
    
László Szabó (1917-98), jogador de xadrez
    
Agnes Szavay (1988 -), jogador de tênis
    
András Székely, prata olímpico nadador (200-m peito) e bronze (4x200 m nado livre revezamento)
    
Éva Székely, campeão olímpico e prata nadador (200-m peito); Internacional Swimming Hall of Fame, mãe de Andrea Gyarmati
    
László Szollás, skater par, Campeonato Mundial de ouro 4 tempos, de prata, Olympic 2 tempo bronze
    
Gabor Talmacsi (1981 -), 125cc MotoGP Campeão do Mundo
    
Judit Temes, campeão olímpico nadador (4 × 100-m livre), bronze (100-m livre) [6]
    
Ildikó Újlaky-Rejtő floretista, 2-time campeão olímpico [7]
    
Richárd Weisz, Olympic lutador campeão (greco-romana super pesado)
    
Lajos Werkner, esgrimista de sabre, 2 tempo-campeão olímpico
    
Imre Zachar, prata olímpico nadador (4x200 m livre, revezamento)
Ver também

    
Lista de judeus húngaros
    
Lista de pessoas por nacionalidade
Referências

    
^ Manipulador de Andrew (1985). Do gueto para os jogos: atletas judeus na Hungria. Monografias do Leste Europeu. ISBN 0-88033-085-6. Retirado 20 de dezembro de 2010.
    
^ Bernard Postal, Jesse Silver, Roy Prata (1965). Enciclopédia dos judeus no esporte. Pub Bloch. Co.. Retirado 20 de dezembro de 2010.
    
^ Kinga Frojimovics, Géza Komoróczy (1999). Judaica de Budapeste: monumentos, ritos, história. Central European University Press. ISBN 963-9116-37-8. Retirado 24 de maio, 2010.
    
^ "Os membros eleitos do judeu International Sports Hall of Fame". Jewishsports.net. Retirado 25 de maio de 2010.
    
^ Joseph M. Siegman (1992). A International Jewish Sports Hall of Fame. Livros SP. ISBN 1-56171-028-8. Retirado 01 de julho de 2010.
    
^ [1]
    
^ Manipulador de Andrew (1985). Do gueto para os jogos: atletas judeus na Hungria. Monografias do Leste Europeu. ISBN 0-88033-085-6. Retirado 03 de junho de 2010.




Lista dos húngaros que nasceram fora a atual Hungria
 Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre
  
(Redirecionado de Lista de húngaros famosos que nasceram fora a atual Hungria)Fonte: http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_famous_Hungarians_who_were_born_outside_present-day_Hungary
As fronteiras da Hungria mudaram substancialmente no século passado. Muitos lugares que antes eram parte da Hungria agora pertencem a países vizinhos. Esta é uma lista de húngaros famosos que nasceram fora a atual Hungria, organizada por país de nascimento e relacionado com o nome de sua terra natal como é atualmente chamado.


Conteúdo
1Áustria
        
1,1 Burgenland
    
2 República Checa
    
3 Roménia
    
4 Sérvia
    
5 Eslováquia
    
6 Ucrânia
        
6,1 Transcarpathia
    
7 Referências

ÁustriaBurgenland

    
Robert Bárány (Viena, Áustria; otologista)
    
Pál Kitaibel (Mattersburg, Áustria, químico, botânico)
    
Liszt Ferenc (Raiding, na Áustria; compositor)

    
Veja também Kategorie categoria alemão: Burgenländer
República Checa

    
Koloman Gogh (Kladno, um jogador de futebol)
Romênia

    
Endre Ady (Érmindszent / Mecenţiu, Roménia; poeta)
    
János Apaczai Csere (Apáca / Apata, Roménia; educador)
    
Lajos Áprily (Brasov, Roménia, poeta)
    
János Arany (Salonta, Roménia; poeta)
    
Osman Onur Gokmen (Carta, Roménia; escultor, capitão, cruzeiro dançarina)
    
Albert-László Barabási (Carta, Roménia; físico)
    
Béla Bartók (Sânnicolau Mare, na Roménia; compositor)
    
István Báthory (Şimleu Silvaniei, Roménia; capitão, governador)
    
Elek Benedek (Băţanii Mici, Roménia; coletor de contos populares)
    
Gábor Bethlen (Ilia, Roménia; capitão, governador)
    
István Bocskai (Cluj-Napoca, Roménia; capitão, governador)
    
Farkas Bolyai (Buia, Roménia; matemático)
    
János Bolyai (Cluj-Napoca, Roménia; matemático)

    
Matthias Corvinus (Cluj-Napoca, Roménia, talvez o rei mais famoso da Hungria)

    
György Dózsa (Dalnic, Roménia, líder de uma revolta camponesa)
    
Jenő DSIDA (Satu Mare, Roménia; poeta)

    
József Erdelyi (batar [Újbátorpuszta], Roménia; poeta)
    
André François (Timişoara Roménia; pintor, artista gráfico)
    
Zoltán Jékely (Aiud, Roménia, poeta, escritor)

    
Margit Kaffka (Carei, Roménia, poeta, romancista)
    
Sándor Kányádi (Porumbenii Mari, Roménia; poeta)
    
Ferenc Kazinczy (Simian, Roménia; poeta, a linguagem reformador)
    
Károly Kós (Timişoara, Roménia; arquiteto)
    
Ferenc Kölcsey (Satu Mare, Roménia, poeta, autor do hino nacional)
    
Sándor Korosi Csoma (Chiuruş, Roménia; orientologist)
    
Béla Kun (Cehu Silvaniei, Roménia; político)
    
György Kurtág (Lugoj, Roménia; compositor)

    
György Ligeti (Târnăveni, Roménia; compositor)
    
Béla Lugosi (Lugoj, Roménia, ator)

    
Kelemen Mikes (Zagon, Roménia, escritor)

    
Péter Pázmány (Oradea, Roménia, teólogo, escritor)

    
Sándor Reményik (Cluj-Napoca, Roménia, poeta)

    
István Sinka (Salonta, Roménia, poeta, romancista)
    
Mihály Sinka (Timişoara, Roménia, advogado)
    
András Suto (Cămăraşu, Roménia, escritor)

    
Aron Tamasi (Lupeni, Roménia, escritor)
    
Samuel Teleki (Dumbrăvioara, Roménia; pesquisador África)
    
László Tőkés (Cluj-Napoca, Roménia; bispo, político)
    
Árpád Tóth (Arad, Roménia; poeta)

    
Sándor Veress (Cluj-Napoca, Roménia, pianista, compositor)

    
Albert Wass (Răscruci, Roménia, escritor, poeta)
    
Miklós Wesselényi (Jibou, Roménia, político, acadêmico, escritor)
Sérvia

    
Géza Csáth (Subotica, Sérvia, escritor)
    
Dezső Kosztolányi (Subotica, Sérvia, poeta, escritor)
    
Peter Leko (Subotica, Sérvia, grande mestre de xadrez)
    
John Simon (Subotica, Sérvia, autor e teatro, literário e crítico de cinema) [1]
Eslováquia

    
Gyula Andrássy (Košice, Eslováquia, político)
    
Gyula Andrássy, o Jovem (Trebišov, Eslováquia; político)
    
Bálint Balassi (Zvolen, Eslováquia, poeta)
    
Miklós Bercsényi (Tematín, Eslováquia; capitão)
    
Lujza Blaha (Rimavská Sobota, Eslováquia; atriz, "o rouxinol da nação")
    
Ernő Dohnányi (Bratislava, Eslováquia, maestro, compositor, pianista)
    
László Hudec (Banská Bystrica, Eslováquia; arquiteto)
    
Mór Jókai (Komárno, Eslováquia, escritor)
    
Lajos Kassák (Nové Zámky, Eslováquia, poeta, pintor, tipógrafo, artista gráfico)
    
Imre Madách (Dolná Strehová, Eslováquia, poeta)
    
Sándor Márai (Košice, Eslováquia, escritor)
    
Baron Ladislas Mednyanszky de Mednyes et Medgye (Beckov, Eslováquia; pintor)
    
László CME (Druzstevna pri Hornáde, Eslováquia, poeta)
    
Kálmán Mikszáth (Sklabiná, Eslováquia, escritor)
    
Szilárd Németh (Komárno, Eslováquia, jogador de futebol)
    
Ferenc II Rákóczi (Borsa, Eslováquia; príncipe, líder do levante húngaro em 1703-1711)
    
Gyula Reviczky (Vítkovce, Eslováquia, poeta)
    
János Selye (Komarno, Eslováquia, pesquisador, psicólogo)
    
Mihály Tompa (Rimavská Sobota, Eslováquia, poeta)
UcrâniaTranscarpathia

    
Mihály Munkácsy (Mukacheve, Ucrânia; pintor)
    
Moshe Leib Rabinovich (Mukacheve Rabi, scholar)
Referências

    
^ Stefanova-Peteva, K. (1993) Quem dá as cartas sobre os estágios de Nova York?, P. 26


Húngaros ganhadores de Premio Nobel
 Fonte: http://www.mfa.gov.hu/kulkepviselet/BR/pt/br_info/premios_nobel_hungaros.htm

Os prêmios Nobel húngaros por um mundo melhor
Em sua primeira edição do ano de 2001 a Nature, uma das principais revistas científicas do mundo, publicou uma recopilação de aniversário abrangendo todo o milênio. O centenário da primeira entrega dos prêmios Nobel foi escolhido como o Aniversário do Ano. Esse fato demonstra o enorme prestigio alcançado em apenas um século do prêmio mais famoso conferido às realizações intelectuais mais importantes. Norman Macrea, o antigo redator-chefe da revista The Economist e analista do milagre econômico japonês, em sua biografia de Neumann publicada em 1992, assim escreve sobre Budapeste na época da concessão dos primeiros Prêmios Nobel: “No começo do século Budapeste foi a metrópole que se desenvolveu mais rapidamente na Europa. Essa cidade deu origem a uma multidão de artistas, cientistas e milionários só comparável com as cidades-estado renascentistas da Itália”. A Hungria, um país de população pequena, mas com grande respeito às ciências e às realizações de seus cientistas, durante o século XX deu ao mundo doze laureados com o Prêmio Nobel, sendo que sete deles nasceram em Budapeste. Restava apenas um: o primeiro prêmio Nobel de literatura. Mas com a premiação de Imre Kertész o círculo se fechou. A seguir apresentaremos os vencedores do Prêmio Nobel de origem húngara e suas mensagens para o futuro.
Alfred Nobel e os Prêmios Nobel
Alfred Nobel, cujo nome se denominou o mais importante prêmio científico, nasceu em 21 de outubro de 1933 em Estocolmo. O famoso químico deixou sua fortuna, adquirida com o descobrimento dos explosivos e a aplicação industrial das ciências, para o nobre objetivo de criar uma fundação. O seu testamento de 27 de novembro de 1895 erigiu ao mesmo tempo um monumento em sua memória e um grande serviço à humanidade.
Sua intenção era premiar os cientistas que mais se destacassem nos diferentes campos das ciências, desde as investigações fundamentais das ciências naturais até a construção de uma sociedade pacífica, desconsiderando a nacionalidade e levando em conta unicamente os valores de suas realizações. A partir da sua morte em 10 de dezembro de 1896 o seu testamento entrou em vigor, dando início às atividades para a criação da Fundação Nobel, cuja constituição se deu mediante a Resolução do Conselho Real da Suécia de 29 de junho de 1900. Os primeiros prêmios Nobel foram outorgados no primeiro ano do século XX, no dia 10 de dezembro de 1901, por ocasião do primeiro aniversário da morte de Nobel. Desta maneira, o centenário de Nobel constitui igualmente um processo que abrange quatro etapas principais. Esses estágios foram imortalizados com a série centenária de selos postais suecos, onde o primeiro retrata o testamento de Nobel de 1895, e o último a primeira cerimônia de entrega do prêmio ocorrida em 1901.
Nobel criou cinco categorias: de física, química, medicina, literatura e paz. Estes foram complementados com o prêmio de economia criado em 1968, por ocasião do 300° aniversário de fundação do Banco da Suécia. O “prêmio dos prêmios” consta de um diploma de honra e de uma soma de aproximadamente 1 milhão de dólares. Ao receber o prêmio, os vencedores pronunciam um discurso de agradecimento e, como parte da solenidade, realizam uma conferência sobre o caminho que percorreram até alcançarem o prêmio.
Os Prêmios Nobel não servem para o reconhecimento de uma certa carreira científica ou da obra de um cientista. Sendo um pesquisador e um inventor, Nobel sabia perfeitamente o que constitui uma descoberta ou uma invenção concreta. Por esta razão que ficou determinado em seu testamento que o prêmio leve em consideração apenas os resultados obtidos. Na entrega dos Prêmios Nobel é sempre incluída uma frase que resume precisamente a razão pela qual o prêmio está sendo concedido. De acordo com as regras, um Prêmio Nobel pode ser compartilhado por no máximo três pessoas.
Os laureados com o Prêmio Nobel de origem húngara
Albert Szent-György foi o único cientista húngaro que viajou da Hungria a Estocolmo para receber o mais importante prêmio científico. A sua medalha Nobel se encontra em Budapeste, sua cidade natal, no Museu Nacional da Hungria. O nosso cientista levou a medalha de ouro de 208 gramas e 66mm de diâmetro, entregue junto com o Prêmio Nobel, de Estocolmo ao seu laboratório de pesquisa na Universidade de Szeged, onde a mantinha até o desencadeamento da 2° Guerra Mundial. Devido ao conflito, Albert perdeu todo o dinheiro ganho junto com o prêmio.
No outono de 1939, quando a União Soviética atacou a Finlândia, foi organizada na Hungria uma campanha de ajuda onde Albert ofereceu sua medalha de ouro em apoio a nação finlandesa. Surgiu então o perigo de que o símbolo de orgulho da nação húngara saísse do país e fosse perdido. Por iniciativa do conde István Zichy, então diretor geral do Museu Nacional da Hungria, e com a ajuda de Onni Talas, embaixador da Finlândia, um diretor de uma empresa de Helsinque chamado Wilhelm Hilbert resgatou a peça valiosa pagando uma soma adequada de dinheiro e em julho de 1940 doou-lhe ao Museu Nacional da Hungria.
A medalha de ouro Nobel foi apresentada ao público pela primeira vez em 1993. Para homenagear o centenário do nascimento de Albert Szent-Györgyi, o Museu Nacional da Hungria organizou uma exposição sobre os laureados com o Prêmio Nobel.
Juntamente com Albert Szent-Györgyi, outros 12 cientistas de origem húngara ganharam o prêmio Nobel, e, em 1995, no ano do centenário do testamento de Nobel, o correio húngaro emitiu selos para homenageá-los. Entre eles se encontram: Philipp E.A. Lenard, laureado com o Prêmio Nobel de Física em 1904, Robert Bárány de Medicina em 1914, Richárd Zsigmondy de Química em 1925, Albert Szent-Györgyi de Medicina em 1937, Georg Hevesy de Química em 1943, Georg Békésy de Medicina em 1961, Eugene P. Wigner de Física em 1963, Dennis Gábor de Física em 1971, John C. Polányi de Química em 1986, Elie Wiesel da Paz em 1986, Georg A. Oláh de Química em 1994 e John C.Harsányi em 1994.
Nesse grupo predominam visivelmente os representantes das ciências naturais: os três prêmios de física e os três de medicina se complementam com quatro prêmios de química, um prêmio da paz e outro de economia. A interdisciplinaridade é uma importante característica dos vencedores húngaros do Prêmio Nobel. Albert Szent-Györgyi, por exemplo, iniciou sua carreira nas ciências médicas e, através da bioquímica, chegou até a física. A trajetória de Georg Békésy se desenvolveu de forma contrária: sua área de atuação era a física, dava conferências como professor de física, realizou suas pesquisas como engenheiro de telecomunicações e foi laureado com o Prêmio Nobel de Medicina. A seguir faremos uma resenha mais detalhada acerca dos êxitos alcançados, desde a medicina e física até a economia.
Vencedores do Prêmio Nobel de Física
Philipp Eduard Anton Lenard (1862–1947): Ganhador do Prêmio Nobel de Física em 1905 “por seu trabalho relacionado com os raios catódicos”. Iniciou suas pesquisas relacionadas com as irradiações produzidas no tubo de Crookes, ao lado de Heinrich Hertz (1857-1894). Conseguiu passar os raios catódicos através de um fólio metálico muito fino (janela de Lenard), conduzindo-lhes a outro tubo fechado, facilitando dessa maneira o seu exame. Determinou que a capacidade de penetração dos raios depende de sua velocidade. Ao atravessar o material, os raios ficam expostos a efeitos dinâmicos. Concluiu que os átomos são compostos de partículas positivas e negativas e que estas chegam somente a uma pequena parte do espaço. O raio catódico, de alguma maneira, leva consigo uma carga negativa.
Ao examinar o efeito fotoelétrico, comprovou que a velocidade dos elétrons saídos de uma superfície metálica depende somente da freqüência, enquanto que o número de elétrons depende da intensidade luminosa. Sua descoberta serviu como fundamento para a teoria do átomo de Ernest Rutherford (1871-1937), e posteriormente para a criação da lei dos efeitos fotoelétricos de Albert Einstein (1879-1955). A descoberta da longitude de onda limite no efeito fotoelétrico, assim como o papel dos ativadores na fosforescência constitui igualmente parte de seus importantes trabalhos.
Eugene P. Wigner (1902-1995): vencedor do Prêmio Nobel de Física em 1963, compartilhado com Maria Goeppert-Mayer (1906-1972) e Hans Daniel Jensen (1907-1973) pelo desenvolvimento da teoria dos núcleos atômicos e as partículas, especialmente pela descoberta e aplicação dos princípios fundamentais da simetria”.
Concluiu seus estudos secundários em Budapeste, no famoso ginásio luterano, sendo admitido em seguida na Universidade de Berlim na Faculdade de Engenharia Química, de acordo com a vontade de seu pai. Nos anos 20, Berlim se tornou a cidade da física moderna. Wigner também assistiu as conferências e seminários de Albert Einstein (1879-1955), de Max Planck (1858-1947) e Max von Laue (1879-1960). Em Berlim, sob a coordenação de Michael Polányi (1891-1976), realizou sua tese de doutorado, cujo trabalho chegou a ser o precursor da química quântica.
Passados os anos universitários de Berlim, Wigner regressou a Hungria para aproveitar seus conhecimentos na fábrica de curtidos de seu pai. Quando soube que Werner Heisenberg (1901-1976) e Max Born (1882-1970) desenvolveram a mecânica quântica, voltou a Berlim. Graças a ajuda do seu professor Michael Polányi, começou a trabalhar no Instituto Imperador Guilherme, onde se deparou com a seguinte questão: por que os átomos preferem se situar nos planos simétricos, pontos simétricos de cristal? A partir daí, foi o primeiro a entender que as simetrias do tempo-espaço têm um papel central na mecânica quântica. No seu livro “O método da teoria de grupos na mecânica quântica”, demonstrou que através dos grupos simétricos se pode chegar a qualquer resultado na mecânica quântica. Esta foi a razão que o fez ganhar o Prêmio Nobel em 1963.
Nos anos 30, Wigner aceitou um convite para trabalhar na Universidade de Princeton, onde permaneceu por seis décadas. Durante a 2° Guerra Mundial teve um papel de destaque no início da era atômica e logo após a guerra, na utilização da energia atômica para fins pacíficos. Pode-se afirmar que ele foi o primeiro engenheiro de reatores nucleares do mundo. Quando morreu, o New York Times dedicou cinco colunas “ao homem que conduziu a humanidade para a era atômica e transformou com coragem a ciência das partículas subatômicas”. “Foi um dos cientistas que, dotado de grande conhecimento e imaginação, nasceu e estudou em Budapeste e logo foi ao Ocidente para transformar o mundo moderno”.
Dennis Gábor (1900-1979): vencedor do Prêmio Nobel de Física em 1971 “pelo descobrimento do método holográfico e seu desenvolvimento ulterior”. Aos 10 anos de idade registrou sua primeira patente de um novo tipo de carrossel. Com a perfeição de milhões de lâmpadas, melhorou o serviço de iluminação pública. Construiu uma câmara de névoa Wilson, onde se podia medir também a velocidade das partículas; desenvolveu o microscópio holográfico; criou a calculadora analógica universal; realizou um trabalho pioneiro no desenvolvimento de tubos de imagem planos coloridos de televisão. A característica principal de sua carreira é a sua larga série de inventos. Dentre eles, está a holografia, que lhe rendeu fama mundial e o Prêmio Nobel.
Desde jovem se interessou pela problemática do microscópio eletrônico. Em 1947 dois domínios aparentemente distantes: o estudo dos raios eletrônicos para o melhoramento do microscópio eletrônico, e o estudo da teoria da informação. Conseguiu comprovar que para a projeção perfeita devem ser aproveitadas todas as informações das ondas refletidas do objeto. Não somente a intensidade das ondas deve ser considerada, mas também a fase e amplitude das ondas. Dessa forma é possível obter a imagem (graf) completa (holo) do objeto. Essa descoberta foi desenvolvida e publicada em 1948.
Além disso, para a propagação ampla da holografia, era necessário desenvolver uma fonte de luz coerente. Isso ocorreu com a descoberta do laser em 1962, sendo possível logo em seguida a criação de hologramas com a junção da técnica de laser e da holografia. Dennis Gábor contribuiu para essas realizações de maneira criativa, por meio de suas descobertas e inventos, novas técnicas de armazenamento de texto e informação associativa, e o reconhecimento de caracteres e figuras. Na exposição organizada por conta da cerimônia de entrega do Prêmio Nobel, Dennis Gábor – usando um laser – conseguiu apresentar seu próprio auto-retrato holográfico. Desde o começo o seu interesse estava voltado para a teoria do som e da holografia acústica, abrangendo posteriormente o campo da medicina.
Paralelamente, o interesse e as atividades desse cientista de formação básica físico-técnica, se concentravam cada vez mais nas questões da civilização industrial e do futuro da humanidade. Essa preocupação em uma série de livros publicados: A invenção do futuro (1963), Inovações científicas, tecnológicas e sociais (1970), A sociedade madura (1972) e Após a era do desperdício, que foi usado como informe do Clube de Roma.
Logo após receber o Prêmio Nobel de 1972, em uma entrevista para a televisão realizada em Budapeste, ele se apresentou como um homem que em sua obra une conscientemente a cultura real e humana: “Há 15 anos que vivo uma vida dupla: sou físico e inventor. Esta é uma das minhas vidas; a outra é que sou um escritor social. Faz muito tempo que compreendi que nossa cultura está exposta a um perigo muito grande”.
O esgotamento das fontes naturais de matérias primas não-renováveis e a poluição do meio ambiente estão minando as nossas condições de sobrevivência. Se continuarmos assim, “então, dentro de 100 anos, consumiremos e esgotaremos as riquezas da natureza, e toda a Terra ficará muito pobre”. É por essa razão que agora recai sobre todas as ciências uma enorme responsabilidade. “Temos que criar uma nova ciência e uma nova tecnologia que retirem da natureza apenas o que ela pode recuperar, restabelecer ou substituir”.
Reconhecendo os problemas vindouros e advertindo sobre o pouco tempo restante, Dennis Gabor não foi pessimista. Sua visão global e sua percepção sobre o futuro se originaram do conhecimento da realidade. Ele levou à luz da consciência os problemas globais, justamente com o propósito de mobilizar as pessoas para que encontrem uma solução adequada: “Tenho confiança de que os problemas serão solucionados, e não obstante, devo reconhecer que minhas esperanças estão baseadas mais em otimismo do que em fundamentos sólidos. No entanto eu sempre considerava que o otimismo era o único caminho de trabalho a ser seguido pelos homens responsáveis”.
Vencedores do Prêmio Nobel de Química
Richard Adolf Zsigmondy (1865-1929): Ganhador do Prêmio Nobel de Química em 1925 “pela interpretação da natureza heterogênea das soluções coloidais e pelos métodos aplicados durante as suas pesquisas, que foram de fundamental importância para a química dos colóides”.
Graduou-se como doutor em química orgânica em 1889 pela Universidade de Erlangen. Entre 1891-1892 foi assistente do físico August Kundt (1839-1899), entre 1893 e 1899 foi catedrático da Technische Hochschule de Graz, e continuou sua carreira de professor em Jena. Nessa época investigava principalmente as peculiaridades dos compostos de silício. Graças a suas descobertas relacionadas com o vidro, foi convidado para ser colaborador da fábrica de vidros Schott em Jena, mas sem abandonar suas atividades de professor.
Zsigmondy já havia conseguido obter resultados fundamentais na ciência dos colóides, se tornando um clássico nessa área especificamente. Em 1903, junto com Henry Siedentopf (1872-1940), fabricou o ultramicroscópio, um dos mais importantes meios de exame das soluções coloidais. Com a ajuda do ultramicroscópio, chegou a conclusões decisivas acerca da natureza dos colóides, a distribuição de suas partículas e a estabilidade dos solos. A partir de 1907 começa a trabalhar como professor na famosa Universidade de Göttingen. Em 1918 criou o filtro de membrana, usado em pesquisas da química de colóides e bioquímicas e em 1929 o aperfeiçoou com uma variante denominada ultra-filtro. Com tais meios é possível separar partículas de diferentes dimensões um do outro ou do dissolvente (inclusive bactérias e vírus).
Georg de Hevesy (1885-1966): Ganhador do Prêmio Nobel de Química em 1943 “pela aplicação dos isótopos como indicadores no curso das investigações dos processos químicos”.
É o pioneiro na indicação radioativa: não somente porque descobriu o método – embora antes da criação da palavra isótopo -, mas porque foi ele quem descobriu as esferas principais de sua aplicação. O método de indicação radioativa permite a exploração de cavernas, cursos de água, o interior dos materiais ocultos e a análise de um organismo vivo, facilitando o exame de suas partes de uma maneira que antes era inacessível.
A partir de 1920 continua sua carreira em Copenhague, no instituto de Niels Bohr (1885-1962). Ali em 1922 descobriu o hafnio, elemento químico de número 72. Nesse mesmo ano iniciou seus primeiros experimentos dirigidos à aplicação biológica da indicação radioativa, primeiramente em plantas, utilizando isótopos naturais de plomo e tório. Em 1926 convidado pela Universidade de Freiburg para dirigir a cátedra de física e química. Durante 8 anos ali passados, iniciou a aplicação da indicação radioativa em tecidos animais, e graças a estes experimentos, provou que a concentração do bismuto é notadamente mais alta nas células de tumores do que nas sadias.
Quando o fascismo chegou ao poder, abandonou a Alemanha e fixou residência novamente em Copenhague. Foi lá que em 1934 descobriu a análise ativadora, que constitui o modo “in vivo” da indicação radioativa. A partir de então dedicou-se quase que exclusivamente a questões médicas, biológicas e bioquímicas até o ponto de muitos dos seus colegas ficarem convencidos que estavam trabalhando ao lado de um grande especialista.
Sua atividade chegou ao auge após a obtenção dos isótopos artificiais. Depois do descobrimento do deutério, por meio da água pesada conseguiu demonstrar o intercâmbio que se realiza entre o peixe dourado e a água. Posteriormente à descoberta da radioatividade artificial, começou a aplicar o isótopo P32, primeiro para examinar o esqueleto, e demonstrou a renovação permanente do mesmo. Em seguida estendeu suas pesquisas nesse campo para outros órgãos. Mediu a velocidade, a rota e formação de diferentes moléculas no organismo, ao mesmo tempo em que ampliou o círculo dos isótopos aplicados.
Em 1940 passou a realizar cada vez mais experimentos em Estocolmo, onde encontrou condições ainda melhores para seus experimentos biológicos do que no instituto de física teórica de Copenhague. Nessa época seu interesse estava voltado principalmente para a formação do DNA, lhe conduzindo ao estudo de certos tipos de tumores malignos. Durante a guerra mudou-se da Dinamarca para a Suécia, divulgando a importância da indicação radioativa e ganhando o reconhecimento do mundo científico através do Prêmio Nobel, que lhe foi dado em 1943.
Depois de receber o Prêmio Nobel, continuou com suas atividades científicas, que se ampliava cada vez mais. Com a ajuda da indicação radioativa, criou novos campos de atuação para a medicina. Concentrou-se principalmente na investigação dos diferentes processos do metabolismo (por exemplo, o metabolismo do ferro) e continuou suas pesquisas sobre os tumores; na velhice começou a estudar também a hematologia.
Hevesy instituiu um novo ramo da ciência: a medicina nuclear, e dedicou toda sua vida à exploração da química, química física, biologia e medicina, e a sua aplicação terapêutica.
John C. Polányi (1929- ): Ganhador do Prêmio Nobel de Química em 1986, compartilhado com o americano Dudley R. Herschbach (nascido em 1932) e o americano de origem chinesa Yuan Tseh Lee (nascido em 1936) “pelas suas pesquisas no campo da dinâmica dos processos químicos elementares”.
Como resultado das atividades desses três cientistas, nasceu a dinâmica das reações, um novo ramo da química que possibilita a compreensão mais profunda e detalhada das reações químicas.
Com a finalidade de seguir os passos fundamentais das reações químicas, Polányi introduziu o método da quimiluminescência infravermelha. Através deste método, foi possível ter a percepção e análise das irradiações infravermelhas me baixa intensidade. Dessa maneira pode-se obter informações essenciais sobre o estado da superfície multidimensional que pormenoriza a energia potencial do sistema. Polányi teve êxito no calculo dos dados da energia potencial das reações com os valores dos parâmetros.
Polányi, através de suas pesquisas, foi o precursor da propagação dos métodos lisérgicos para o estudo da dinâmica das reações químicas. Seu nome ficou igualmente ligado ao nascimento da fotoquímica superficial, um novo ramo científico que facilita o conhecimento pormenorizado do mecanismo das reações que ocorrem nas superfícies.
Além de ensaios científicos, Polányi publicou cerca de 100 artigos sobre questões de política científica, a limitação de armamentos e os efeitos da ciência sobre a sociedade. Polányi também é autor do livro “Os perigos da guerra nuclear”. Por suas atividades científicas, foi honrado com vários prêmios, entre eles o prêmio Wolf de 1982.
George Oláh (1927-): Ganhador do Prêmio Nobel de Química em 1994 “pela sua contribuição à química carbocatiônica”. No domínio da química orgânica moderna, foram as suas obras que romperam com o dogma de quatro valências do carbono e abriram novos caminhos na obtenção dos hidrocarbonetos. Dentro desses, a benzina tem a mais destacada importância.
Oláh estudou na Faculdade de Engenharia Química da Universidade Técnica de Budapeste. Seus experimentos lá realizados, ao lado do professor Géza Zemplén (1833-1956), abriram um capitulo totalmente novo na química dos compostos que contêm átomo carbônico com carga eletro-positiva.
Aplicou com êxito seu conhecimento teórico obtido durante seus estudos sobre os cátions de carbono no domínio das sínteses industriais: a partir dos hidrocarbonetos da cadeia de carbono direta (de octanagem baixa, frações de petróleo de baixa qualidade) obteve hidrocarbonetos da cadeia de carbono ramificada (de alta octanagem).
Em 1976, após 12 anos de importantes trabalhos de pesquisa, como reconhecimento D. P. Locker, sua esposa e outros patrocinadores de Los Angeles e na Universidade da Carolina do Sul criaram para George Oláh e seus colaboradores um instituto de pesquisas químicas, que abrange todo o domínio da química de hidrocarbonetos. Desde então, soba direção do professor Oláh, o Instituto de Pesquisas Locker Hydrocarbon continua crescendo s se desenvolvendo até os dias de hoje.
Podemos considerá-lo como o químico que fez a ligação das investigações básicas com o aproveitamento econômico, além de ser especialista na cadeia global da inovação entre as universidades e empresas, cujas pesquisas se tornaram importantes recursos econômicos, protegendo o meio ambiente e os recursos naturais. Além disso, nos advertiu – da mesma forma que seus colegas vencedores do Prêmio Nobel – que são as riquezas intelectuais que constituem nossas riquezas naturais mais importantes; que o homem representa o valor máximo e seu cérebro instruído e formado, juntamente com um sistema escolar eficiente, capaz de elevar a civilização.
Ganhadores do Prêmio Nobel de Medicina
Albert Szent-Györgyi (1893-1986): Ganhador do Prêmio Nobel de Medicina em 1937 “por suas descobertas no campo dos processos de oxidação biológica, particularmente no relacionado à vitamina C e a catálise do acido fumárico”.
Foi um fator decisivo para sua premiação a descoberta da vitamina C a partir da páprica húngara, isolando a partir dessa verdura quantidades necessárias de vitamina C para suas pesquisas. Além do mais, isso se tornou somente uma linha lateral de sua atividade cientifica, pois Szent-Györgyi dedicou toda a sua carreira na investigação da essência da vida.
Para que um organismo vivo possa sobreviver, ele necessita de energia, que é obtida mediante a oxidação das substancias alimentícias. Quanto a interpretação do modo de oxidação, duas escolas se sobressaíram. Segundo a escola de Warburg, é o oxigênio que se ativa e, segundo a escola de Wieland, é o hidrogênio da substancia alimentícia que se ativa. Szent-Györgyi uniu as duas interpretações demonstrando que o oxigênio ativo oxida o hidrogênio ativo. Isto forma uma larga cadeia de reações complexas, durante a qual a energia dos átomos de hidrogênio se desprende gradualmente, em uma série de transformações que se desenvolvem passo a passo.
Szent-Györgyi direcionou seus esforços por mais de dez anos ao estudo dos processos oxidoredutores. Foi a descoberta de partes significativas das ligações de oxidação que serviu de base para obtenção do Prêmio Nobel. Os outros elementos do circulo de citratos e seu mecanismo completo foram aclarados por seu amigo Hans Krebs (1900-1981), igualmente vencedor do Prêmio Nobel; a denominação correta do processo cíclico é: ciclo de Szent-Gtörgyi-Krebs.
Após receber o Prêmio Nobel em 1937, Szent-György continuou com suas atividades cientificas: no ano de 1939 inicia um ciclo de novas pesquisas e descobertas. O florescimento húngaro e internacional nas pesquisas dos músculos está intimamente ligada às realizações de Szent-Györgyi e sua escola de Szeged. Meio século depois, Bruno Straub F. (1914-1996), um dos seus principais colaboradores e também internacionalmente reconhecido por suas pesquisas, fez a seguinte conclusão sobre os resultados obtidos: “Os anos de 1940-1942 foram de grande êxito para Szent-Györgyi e também para todos nós, pois conseguimos saber como funciona a constrição dos músculos. Na minha opinião, na carreira de Szent-Györgyi este feito é ainda mais importante do que aquele que lhe rendeu o Prêmio Nobel”. Foi a partir de suas descobertas que nasceu a moderna biologia muscular.
Posteriormente, Albert Szent-Györgyi, depois de emigrar em 1947 para os Estados Unidos, por mais 40 anos continuou com suas pesquisas em laboratório. A doença que tirou a vida de sua esposa, de sua filha e de seu amigo Janos Neumann, serviu de um grande campo para suas pesquisas. Aos 90 anos de idade, continuava investigando os segredos do câncer. Para os húngaros, ele se tornou o símbolo do cientista humanista de espírito livre.
Georg Békésy (1899-1972): Ganhador do Prêmio Nobel de Medicina em 1961 “pelo descobrimento do mecanismo físico das excitações produzidas na cóclea das orelhas”. O elemento mais significativo da obra de Békésy é a descrição dos processos mecânicos produzidos pelo ouvido interno e a criação de uma nova teoria da natureza do ouvido. Foi o primeiro a criar um modelo que realmente funcionava de maneira semelhante ao ouvido interno, onde se podia observar e até fotografar os processos desenvolvidos com mais precisão do que aqueles preparados pelo próprio ouvido. Conseguiu êxito graças a exames profundos e detalhados, assim como inúmeras medições que realizou com os componentes da cóclea.
Békésy recebeu o Prêmio Nobel quando já estava trabalhando a mais de uma década nos EUA, mas foi premiado por suas atividades desenvolvidas na Hungria. Janos Szentágothai (1912-1994), o pesquisador do cérebro de fama mundial, confirmou este fato declarando o seguinte: “Entre os anos 1931-1944, inicialmente como estudante de medicina e logo em seguida trabalhando num campo próximo de suas pesquisas, sabia que a sua teoria do ouvido, que lhe rendeu o Prêmio Nobel de 1944, já estava concluída, da mesma forma que sua outra teoria, talvez ainda mais genial, de como o mecanismo inibidor contribui para diferenciar o sinal e o ruído. Só essa teoria sozinha já mereceria um Prêmio Nobel”.
As pesquisas sobre a orelha e o ouvido, constituíram para Békésy um dos caminhos que levava à ciência universal da percepção humana. No seu discurso na entrega do Prêmio Nobel já chamava a atenção para esse fato: “Talvez não longe o dia em que estes três sentidos – o ouvido, a pele e os olhos – que hoje em dia se encontram separados pelos manuais de biologia, em certos aspectos formarão um capítulo comum”.
Em sua obra, Békésy relacionou suas pesquisas de física, técnica de telecomunicações e fisiologia e sua atividade cientifica às artes. Reuniu uma coleção de obras artísticas de valor histórico e em seu testamento, junto com sua herança, a doou a Fundação Nobel. Békésy até sua morte se destacou pela atuação interdisciplinar e deixou como legado a tarefa de continuar com este trabalho.
Ao receber o Prêmio Nobel, no seu discurso de agradecimento, Békésy dedicou sua atividade ao “pai fundador” da otologia, afirmando que “...o primeiro vencedor com o prêmio de otologia, Róbert Bárány, é igualmente de origem húngara. Eu não acho que seja por acaso. Na Hungria, a otologia se encontra num nível muito alto e está cercada de um interesse genuíno. Eu suspeitava durante muito tempo que em alguma outra época existiu uma personalidade que tenha se destacado mais, assentando suas bases.Procurei nos manuais por muito tempo até encontrar um nome. Se chamava Hőgyes...”. Endre Hőgyes (1847-1906) começou em 1880 a investigar o caminho de reflexo dos movimentos associados dos olhos e suas correlações com o sistema de labirinto. Estes trabalhos experimentais de grande importância, realizados em animais, precederam os estudos e resultados do mesmo tema de Róbert Bárány, que em seu discurso na entrega do Prêmio Nobel, citou seus antecessores fazendo referencia a Endre Hőgyes.
Róbert Bárány (1876-1936): Ganhador do Prêmio Nobel de Medicina em 1914 “por seus trabalhos relacionados com a fisiologia do aparato vestibular. Róbert Bárány concluiu seus estudos de medicina na Universidade de Viena. Em universidades alemãs se especializou em patologia interna e patologia neurológica-cerebral, passando em seguida trabalhar com otologia em Viena. Fundamentou sua atividade, coroada com o Prêmio Nobel, em seus exames clínicos e experimentais ali iniciados.
Foi uma única experiência clinica que chamou sua atenção sobre o órgão de equilíbrio (vestibular) situado no ouvido interno. Muitas vezes, quando realizava o enxague do ouvido dos seus pacientes, notava que este procedimento lhes causava vertigens. Percebeu então que a vertigem estava relacionada com a temperatura do liquido de enxague. Usando água morna, o paciente não sentia vertigem, enquanto que se o enxague fosse feito com água quente ou muito fria causava a vertigem. A explicação do fenômeno consiste que na temperatura da linfa circulante no ouvido interno é de 37°C. As mudanças de temperatura fazem esse liquido fluir, devido ao frio ou calor, causando vertigem. Isso causa desorientação no estado do nosso corpo, sinalizado pela vibração dos globos oculares. Esse fenômeno corresponde a um mecanismo de reflexo conhecido como reação calórica de Bárány. Ele também adverte sobre a propagação dos processos patológicos, sobretudo os de inflamação.
Toda a atividade de Bárány se desenvolveu nos ramos da otologia e neurologia. Entre seus descendentes se encontram numerosos médicos. Andres Bárány, um dos seus netos, optou por seguir a carreira de físico, e como membro da comissão do Prêmio Nobel de Física, participou em vários processos para a escolha do prêmio.
O vencedor do Prêmio Nobel da Paz
Em seu testamento, Alfred Nobel, além do reconhecimento dos êxitos científicos e literários, pensou igualmente em homenagear com um prêmio especial os humanistas mais destacados, os heróis da paz. Isso tem uma importância particular, pois o século XX não é somente o século da liberação da energia atômica, da conquista da lua, da telecomunicação global por via satélite, do processamento automatizado das informações por ordenador, da cirurgia genética e outras conquistas do progresso cientifico, mas também é o século de Hiroshima e dos holocaustos.
Elie Wiesel (1928-): Ganhador do Prêmio Nobel da Paz em 1986. Tinha quinze anos quando foi deportado com sua família. Sua mãe e sua irmã mais nova morreram em uma câmara de gás, e seu pai morreu diante de seus olhos no campo de concentração de Buchenwald. Conseguiu sobreviver a esta tragédia e através da literatura, exerceu um papel de despertador da consciência.
Em 1945 se estabeleceu em Paris e, durante seus 16 anos de estadia naquele país, conquistou o seu lugar na literatura francesa moderna. Em 1961 visitou os EUA e desde 1963 é cidadão americano. Mesmo sendo escritor, seu reconhecimento moral não se deve ao seu trabalho desenvolvido na literatura, pois de acordo com o discurso oficial, foi vencedor do Prêmio Nobel devido principalmente ao fato de que ele foi considerado um dos “líderes mais importantes e um intelectual atuante na época em que a violência, a opressão e o ódio racial marcaram o mundo”.
Em Tel Aviv, no livro de Emil Feuerstein chamado “Um punhado de flores – A herança espiritual dos judeus húngaros” foi publicada uma série de livros sobre pessoas, tanto na Hungria quanto em Israel, que são consideradas como enriquecedoras de suas culturas. Na capa do terceiro volume, publicado em 1989, na parte superior nota-se o retrato de Dénes Gábor, e na parte inferior o retrato de Elie Wiesel, autor do prefácio escrito na edição húngara.
O ganhador do Prêmio Nobel de Economia
John C. Harsányi (1920-2000): Ganhador do Prêmio Nobel de Economia em 1994, compartilhado com o americano John Nash (1928-) e o alemão Reinhard Selten (1930-) “por sua atividade precursora no campo da análise do equilíbrio na teoria dos jogos cooperativos”. Harsányi nasceu em Budapeste em 29 de maio de 1920. Assim como Jeno Wigner e János Neumann, também concluiu seus estudos no famoso ginásio Alameda de Budapeste. Foi ali que obteve as bases de seu conhecimento e humanismo, de onde recordava sempre com carinho até o fim da vida. Em 1937, o ano do seu exame para entrar na universidade – da mesma forma que os grandes cientistas mundialmente conhecidos como Tódor Rármán (1881-1963), Leó Szilárd (1898-1964) e Ede Teller (1908-2003) – ganhou o Concurso Nacional de Matemática das Escolas Secundárias, que era internacionalmente reconhecido.
Seu pai tinha uma farmácia no bairro de Zugló, e atendendo a um pedido dele, estudou farmacologia na Universidade de Ciências de Budapeste, com a finalidade de assumir a direção de um negócio familiar. Mas então veio a guerra: graças a sua boa sorte e aos padres jesuítas, sobreviveu a 2° Guerra Mundial.
Quando em 1946 se matriculou novamente na Universidade de Ciências, optou por cursar seus estudos em outra área, No ano seguinte obteve grau de doutor em filosofia e psicologia. No ano letivo de 1947-1948, trabalhou como professor assistente no Instituto de Sociologia do professor Sándor Szalai. Ali conheceu Ana Klauber, estudante da faculdade de psicologia, que foi sua companheira durante toda sua vida. “Minha família e meu trabalho estavam no centro da minha vida”, declarou o professor Harsányi, ao terminar uma autobiografia.
O sistema político stalinista impossibilitou a continuação de seu trabalho de pesquisador. Por causa disso, em 1950, junto com sua esposa, fugiram para o exterior, pondo em risco suas vidas. Na Áustria recomeçou sua vida como operário em uma fábrica. Paralelamente continuou seus estudos e conseguiu uma nova especialização no campo das ciências econômicas, concluindo mais tarde nos EUA. Desde 1964 foi professor na Universidade de Berkeley, na Califórnia, onde se jubilou em 1990 e nunca abandonando suas pesquisas cientificas. Publicou quatro livros e cerca de cem artigos científicos.
Sua obra foi coroada com o Prêmio Nobel graças a sua teoria dos jogos. John C. Harsányi chegou aos Estados Unidos em 1957, no mesmo ano em que morria János Neumann, o fundador da teoria dos jogos.
O professor Harsányi, continuador da obra de Neumann, demonstrou como se pode analisar com êxito os jogos sociais, inclusive com informações insuficientes. Dessa forma desenvolveu um ramo de pesquisas que tinha um rápido crescimento: a economia das informações, que estuda as situações estratégicas, onde os participantes não conhecem ou conhecem parcialmente os objetivos tanto de um quanto do outro. Aproveitou com êxito estes conhecimentos em favor se sua nova pátria e do mundo inteiro, trabalhando junto com o presidente Nixon nas negociações de desarmamento entre EUA e URSS.
O professor Harsányi dividiu seu trabalho cientifico entre o desenvolvimento dos problemas filosóficos, especialmente da filosofia da historia, a teoria dos jogos, o pensamento econômico e a ética. “A idéia consiste em que a sociedade aceita regras éticas que realmente lhe serão úteis, e se nós cumprirmos essas regras, não somente a sociedade será mais ética, mas também esta se encontrará em condições econômicas muito melhores. É assim que as pessoas se comportam de maneira ética, e então irá predominar a confiança mutua, e não somente vão confiar um no outro, mas terão motivos justos para confiar um no outro, e sabemos que as pessoas podem ter confiança recíproca e que isso é uma parte essencial da vida econômica, pois se não for assim, não poderemos cooperar um com o outro, fechar um contrato, etc. Até do ponto de vista econômico vale a pena ser honesto!”.
A atividade de John C. Harsányi contribuiu para que as ciências econômicas e o pensamento econômico sejam mais adequados para interpretarem o mundo que os rodeia e um comportamento que harmonize essas relações. Em sua obra a sabedoria, a honra, a ciência e o humanismo tinham um forte laço de união. Do ponto de vista da sociedade baseada em conhecimentos, seu exemplo, herança e mensagem são cada vez mais importantes e mais atuais.
O primeiro prêmio Nobel húngaro do século XXI
“A Academia Sueca outorga o prêmio Nobel de literatura do ano de 2002 ao escritor húngaro Imre Kertész, por uma obra literária que retrata a frágil experiência do indivíduo contra a arbitrariedade bárbara da história. A obra do escritor Imre Kertész examina a possibilidade de ainda ser possível viver e pensar como indivíduo, quando o poder ditatorial atropela totalmente o ser humano. Em seus livros Imre retorna incessantemente à experiência mais marcante de sua vida, Auschwitz, para onde foi levado a força ainda adolescente, durante as perseguições aos judeus na Hungria cometidas pelos nazistas. Para ele, Auschwitz não constitui um acontecimento excepcional fora da história normal do Ocidente. Auschwitz é a verdade definitiva da degradação do homem na existência moderna. O primeiro romance de Kertész, chamado “Sem Destino”, mostra a detenção do jovem Köves a um campo de concentração, onde ele acaba se adaptando e sobrevivendo”.(Trecho da nota distribuída a imprensa da Academia Sueca sobre a entrega do prêmio).
Os prêmios Nobel húngaros do século XX receberam o máximo de reconhecimento por suas conquistas cientificas. Sete deles nasceram em Budapeste. Com Imre Kertész, o primeiro prêmio Nobel húngaro do século XXI, se uniu a esse grupo também o seu primeiro escritor.
O autor de “Sem Destino” nasceu em 09 de novembro de 1929, no começo da crise econômica mundial. Tinha 10 anos quando a nova guerra mundial começou, onde uma de suas conseqüências mais brutais foi o holocausto. Por sua origem judia, em 1944 foi deportado para Auschwitz e em seguida para Buchenwald. Esse jovem nasceu em um mundo absurdo dominada pelo Estado totalitário, onde havia fracassado o senso comum e o destino individual dos homens. Imre Kertész aprendeu a se adaptar e a sobreviver a esta bárbara arbitrariedade.
Em 1945 conseguiu sair do campo de concentração. Voltou a Budapeste, onde conseguiu publicar, depois de 30 anos de muita luta, conseguiu publicar seu primeiro romance. “Sem destino” é baseado nas experiências vividas por Imre em Auschwitz e Buchenwald. É o romance húngaro mais emocionante sobre o holocausto. Combina a descrição do campo de concentração incrivelmente autêntica e de grande força artística com uma filosofia da existência que nos atinge profundamente. Na descrição dos fatos colocou suas experiências pessoais vividas nas ditaduras tanto de Hitler quanto de Stalin, assim como as grandes tradições culturais e filosóficas de Europa, principalmente as alemãs, que assimilou através da tradução literária.
Na época da publicação, o romance não teve repercussão alguma, da mesma forma que os outros dois romances que formavam uma trilogia: O Fracasso e Kaddish. As grandes mudanças políticas de 1989 abriram os corações e mentes para se aceitar as obras de Kertész, dando-lhe novo estímulo para publicar novos livros. Segundo a Academia Sueca, “seu estilo se caracteriza por ser compacto e bem realista, surpreendendo o leitor mais desavisado. Também libera o leitor de experimentar alguns sentimentos obrigatórios, deixando-o livre para uma especial liberdade de pensamentos”.
Através de seus livros, Imre Kertész passou ao mundo uma mensagem sobre a existência humana universal e seu intelecto, além de seus livros serem uma ponte entre a cultura húngara e o restante do mundo, já que foram traduzidos para o sueco, alemão, espanhol, francês, holandês, hebraico, italiano e inglês.
Com Imre Kertész foi possível criar definitivamente, com os demais prêmios Nobel húngaros, a tão esperada ponte intelectual entre os mundos da cultura e da ciência. Georg Békésy escreveu: “O ser humano é composto de duas partes distintas – a fisiológica e a intelectual. A parte intelectual necessita de livros, muitos livros”. Eugene P. Wigner disse: “É um grande equívoco crer que os bens materiais são os mais importantes na vida humana. A felicidade do homem também necessita de bens intelectuais”. Dennis Gábor afirmou: “Naquele pequeno grupo onde havia bem estar, na reduzida classe média de Budapeste, as duas culturas estavam tão próximas uma da outra como talvez em nenhuma outra parte do mundo. Nos fascinava igualmente a ciência, a arte e a literatura ocidental”. George A. Oláh disse: “Nos meus anos escolares lia muitos clássicos, obras literárias e de historia, e mais tarde filosofia (...). Além dos clássicos, também a literatura húngara oferece uma abundante e magnífica quantidade de excelentes obras. É lamentável que, devido a barreira do idioma, as obras de vários escritores e poetas húngaros em sua maioria sejam inacessíveis ao mundo”. Mesmo assim, Imre Kertész conseguiu ocupar seu lugar entre os ganhadores do Prêmio Nobel.
A mensagem dos Prêmios Nobel
A ciência na sua essência é internacional e cada cientista, por meio de suas criações, pode enriquecer vários campos profissionais e diferentes países de uma vez. O nome Róbert Bárány já indica sua origem húngara. Richárd Zsigmondy vinha de uma famosa família húngara. Ambos nasceram em Viena. Alem disso, Zsigmondy recebeu em Estocolmo o Prêmio Nobel como professor de uma universidade alemã. Robert Bárány se refugiar na Suécia e foi o governo sueco, durante a 1° Guerra Mundial, que lhe ofereceu uma nova pátria e também um local para que fossem depositados seus restos mortais. Tanto o correio húngaro, quanto o sueco e o austríaco emitiram selos postais dedicados a Bárány. John C. Polányi nasceu em Berlim, filho de Michael Polányi, químico e filósofo de fama mundial que, após a primeira guerra, emigrou de Budapeste vindo de uma família de intelectuais que exerceram importante papel para a cultura húngara. Concluiu seus estudos na Inglaterra, mas recebeu o Prêmio Nobel já como cidadão canadense.
“Me orgulho de ser um cidadão de outro país, dos Estados Unidos, mas também de uma unidade muito maior: da humanidade, servindo aos objetivos comuns de todos os seres humanos. Entretanto, nada disso muda o fato que eu continue sendo húngaro, como sempre fui, e que minha pátria continue sendo a Hungria, como foi na minha infância” – afirmou Albert Szent-Györgyi – que depois da 2°Guerra Mundial foi obrigado emigrar, só retornando a Hungria depois de 25 anos de ausência.
Com palavras igualmente belas disse George Oláh, que emigrou depois da derrota da revolução de 1956: “Eu e minha família encontramos uma nova pátria, e enquanto que me orgulho de ser húngaro, também passei a ser americano. (...). No que se refere a minha origem húngara: eu vivi 29 anos na Hungria, e como saí jovem de lá, guardo as minhas melhores lembranças, já que – e isso é o que a vida tem de melhor – a gente consegue lembrar sempre dos bons momentos. Sou americano de origem húngara, e como aqui dizem: dos dois mundos, o meu é o melhor”.
As conquistas dos Prêmios Nobel são motivo de orgulho da mesma maneira em Berlim, Budapeste, Estocolmo, Tel Aviv, Viena e Washington. O espírito do Prêmio Nobel estimula pontes além das fronteiras nacionais e das barreiras científicas.
É emocionante relembrar os vencedores do prêmio Nobel de origem húngara. Neste relato histórico está refletida a dramática lição do século XX, o século das maiores atrocidades da historia da humanidade: os avanços técnicos-cientificos devem vir acompanhados do progresso moral e humano. Há mais de meio século, em seu pronunciamento na entrega do Prêmio Nobel em 1937, Albert Szent-Györgyi destacou a necessidade dessa relação e finalizou seu discurso com uma mensagem final atendo-se ao espírito de Alfred Nobel e fazendo a ligação entre as ciências e o humanismo:
“A finalidade das minhas pesquisas e da bioquímica moderna em geral é compreender o funcionamento do organismo. Uma vez que consigamos entender a função do organismo, então começará uma época totalmente nova nas ciências médicas. Podemos observar que até alcançarmos essa meta ainda distante, as pesquisas tampouco serão infrutíferas, já que até o momento foram descobertas várias substâncias onde depositamos nossas esperanças, a mais ainda por sabermos que poderemos utilizá-las para aliviar o sofrimento humano.
Além disso, minhas pesquisas possuem outro aspecto que me enche de orgulho. Não se trata do resultado obtido, mas o que me traz infinita alegria ao relembrar minhas pesquisas é que elas, do começo ao fim, foram possíveis graças à grande fraternidade cientifica internacional, a cooperação cientifica e a solidariedade humana, onde sem as quais eu mesmo teria desistido ou não conseguiria produzir nenhum resultado. É emocionante saber que nesse mundo de hoje tão agitado e cheio de ódio, na ciência predomina este espírito de fraternidade e solidariedade humana. Não me resta nada além de desejar que algum dia este espírito se expanda e alcance outras fronteiras além da ciência, conduzindo assim toda a humanidade a um futuro melhor do que o atual”.
Texto por Ferenc Nagy - Redator Chefe da Enciclopédia dos Cientistas Húngaros
A compilação foi preparada com base no material informativo do e-Museu Nobel (http://www.nobel.se/), dos artigos da Enciclopédia dos Cientistas Húngaros e da obra Nossos Gênios Prêmio Nobel (Budapeste, 2001), do mesmo autor.
Elaborado pelo Ministério das Relações Exteriores da República da Hungria (http://www.kum.hu/)
Tradução: Bruno de Freitas Santos Gonçalves