Google Tag Manager

domingo, 31 de março de 2013

Rosacruz e as ramificacoes Rosacrucianas modernas



Rosa-cruz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Rosa-cruz


Série
Rosacrucianismo
Templo da Rosacruz
Literatura
Fama Fraternitatis Rosae Crucis
Conceito Rosacruz do Cosmos
O Iluminismo Rosacruz
Zanoni
O Pêndulo de Foucault 

Instituições

Fraternidade Rosacruz (Max Heindel) (Fraternidade Rosacruz)


Antiga e Mística Ordem Rosa-Cruz (AMORC)


Lectorium Rosicrucianum


Confraternidade da Rosa+Cruz (CR+C)


Fraternitas Rosicruciana Antiqua (FRA)


Ordem Kabbalística da Rosa-Cruz (OKRC)























A Rosacruz é uma Fraternidade que foi publicamente conhecida no século XVII através de três manifestos e insere-se na tradição esotérica ocidental. Esta Fraternidade hermética é vista por muitos Rosacrucianistas antigos e modernos como um "Colégio de Invisíveis" nos mundos internos, formado por grandes Adeptos, com o intuito de prestar auxílio à evolução espiritual da humanidade.

Para saber mais, clique em Mais informações, abaixo.

terça-feira, 26 de março de 2013

A Quarta Via


A Quarta Via das Instituições de Ensino Superior:

Fonte: http://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/74620/t0091.pdf?sequence=1

A Responsabilidade Social 
Cristina Melim Petrelli 
Nelson Colossi 

RESUMO

"As Instituições de Ensino Superior realizam uma função social significativa: prover formação superior a pessoas capazes de influenciar o processo de desenvolvimento da sociedade em direção à melhorias da vida humana no planeta. 

Dessa forma, elas atendem a demanda de profissionais para o mercado de trabalho. 

Além dessa função, as IES têm ainda a nobre missão de educar o homem em sua totalidade, promovendo sua cidadania e estimulando-lhe valores éticos, em tudo o que diz respeito à sobrevivência e às condições da vida humana individual ou associada. 

Porém, nem sempre a sociedade percebe a amplitude da ação formadora-educadora dessas instituições e, assim, muitas vezes não a reconhecem como agente promotora da transformação e desenvolvimento social. 

Por esta razão, faz-se necessário que as IES promovam a divulgação de suas atividades para que a sociedade onde ela está inserida possa conhece-la e avaliar seus resultados. 

O processo de Avaliação Institucional promovido pelo MEC tem por finalidade precípua mensurar e avaliar as IES brasileiras, especialmente em relação à abrangência e ao nível de realização de suas funções institucionais. 

A experiência brasileira de Avaliação Institucional, embora recente, tem sinalizado a necessidade de mudanças na política e nos procedimentos utilizados para avaliar o ensino superior no Brasil. 

Em uma dessas exigências, observa-se a tendência, cada vez mais acentuada, de incluir entre os critérios de avaliação de uma IES, o que se refere ao seu relacionamento com a sociedade em geral. 

De fato, segundo os novos critérios de Avaliação Institucional, o conceito de um Curso pode ser afetado pelo seu envolvimento com a sociedade. 

Ou seja, além de critérios específicos, tais como aprendizagem, estrutura física e corpo docente, avalia-se, também, o binômio instituição-sociedade. 

Entre os diferentes parâmetros pelos quais o relacionamento de uma instituição de ensino superior com a sociedade pode ser medido, destaca-se, especialmente, o que tem sido chamado de Responsabilidade Social, cuja finalidade é mensurar, além das funções institucionais tradicionais - ensino, pesquisa e extensão, a sua a abrangência e legitimidade de sua Responsabilidade Social junto à sociedade a quem ela serve. 

Este artigo trata desta nova função das IES - Responsabilidade Social e procura demonstrar que a missão das Instituições de Ensino Superior vai além de suas funções básicas de Ensino, Pesquisa e Extensão. "

Palavras - Chave: Responsabilidade social. Universidade.

Primeira via: Ensino
Segunda via: Pesquisa
Terceira via: Extensão
Quarta via: Responsabilidade Social

Para saber mais, clique em Mais informações, abaixo.


Alvin Toffler

Alvin Toffler










Alvin Toffler
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Alvin_Toffler

Alvin Toffler (4 de Outubro de 1928) é um escritor e futurista norte-americano doutorado em Letras, Leis e Ciência, conhecido pelos seus escritos sobre a revolução digital, a revolução das comunicações e a singularidade tecnológica.

Os seus primeiros trabalhos deram enfoque à tecnologia e seu impacto, através de efeitos como a sobrecarga de informação

Mais tarde centrou-se em examinar a reação da sociedade e as mudanças que esta sofre. 

Os seus últimos trabalhos têm abordado o estudo do poder crescente do armamento militar do século XXI, as armas e a proliferação da tecnologia e o capitalismo

Está casado com Heidi Toffler, igualmente uma escritora futurista.

Alvin Toffler que prioriza a inteligência e o poder das ideias, na transformação definitiva para a sociedade pós-industrial. 

Obras

Alvin Toffler escreveu os livros com a sua esposa Heidi. 

As suas primeiras obras foram estas até ao momento:

Future Shock (Choque do futuro) (1970) Bantam Books ISBN 0-553-27737-5
The Eco-Spasm Report (1975) Bantam Books ISBN 0-553-14474-X
The Third Wave (A terceira vaga) ou (A terceira onda) (1980) Bantam Books ISBN 0-553-24698-4,
Previews & Premises (1983)
Powershift: As mudanças do poder (1990) Bantam Books ISBN 0-553-29215-3
War and Anti-War (1995) Warner Books ISBN 0-446-60259-0
Revolutionary Wealth (2006) Knopf ISBN 0-375-40174-1
Citações

”Ou você tem uma estratégia ou é parte da estratégia de alguém." 

”Os analfabetos do século XXI não são aqueles que não sabem ler ou escrever, mas aqueles que se recusam a aprender, reaprender e voltar a aprender." ”

A pergunta certa é geralmente mais importante do que a resposta certa à pergunta errada."

 ”O futuro é construído pelas nossas decisões diárias, inconstantes e mutáveis, e cada evento influencia todos os outros." 

”Mudança é o processo no qual o futuro invade nossas vidas." 

”Antes morrer pela toxina da informação do que ser enterrado pela ignorância como indigente." - Felipe A.F. Moraes ”Inundar-se por um mar de elétrons é negativo assim como uma nuvem cinzenta que cobre o azul do céu"
Ligações externas

segunda-feira, 25 de março de 2013

Transtorno de personalidade esquizoide









Transtorno de personalidade esquizoide
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Transtorno_de_personalidade_esquizoide


Transtorno de personalidade esquizoide
Classificação e recursos externos
CID-10 F60.1
CID-9 301.2
MedlinePlus 000920
MeSH D012557
Aviso médico


O Transtorno de Personalidade Esquizóide (TPE) é definido como um transtorno de personalidade primariamente caracterizado por falta de interesse em relações sociais, tendência ao isolamento e à introspecção, e frieza emocional, e simultaneamente por uma rica e elaborada atividade imaginária interior[1]. Embora os termos sejam parecidos, otranstorno de personalidade esquizóide não é o mesmo que esquizofrenia (ainda que haja uma prevalência maior de pessoas com este transtorno em famílias com esquizofreniae ambos compartilhem características como distanciamento ou embotamento afetivo).[2][3][4]

A psicóloga Nancy McWilliams argumentou que a definição do transtorno é falha devido ao preconceito cultural: "Um dos motivos pelo qual indivíduos esquizóides são patologizados é porque são comparativamente raros. As pessoas na sua maioria tendem a acreditar que sua própria psicologia é a norma e a igualar a diferença com a inferioridade."[5].


Índice
1 História
2 Critérios de diagnóstico
2.1 Critérios do DSM-IV
2.2 Critérios do CID-10
2.3 Critérios de diagnóstico dinâmico
2.4 Critérios de Guntrip
2.4.1 Introversão
2.4.2 Reclusão
2.4.3 Narcisismo
2.4.4 Auto-suficiência
2.4.5 Sensação de superioridade
2.4.6 Perda da afetividade
2.4.7 Isolamento
2.4.8 Despersonalização
2.4.9 Regressão psicológica
3 Perfil fenomenológico de Akhtar
4 Sinais e sintomas
4.1 Estilo de apego evitativo
4.2 Sexualidade Esquizóide
4.3 O 'Esquizóide secreto'
5 Causas
6 Diagnóstico diferencial
7 Problemas associados
8 Tratamento
8.1 Tratamento a curto-prazo
8.2 Terapia a longo-prazo
9 Prevalência
10 Referências
11 Ligações externas

História

O termo "esquizóide" foi criado em 1908 por Eugen Bleuler para designar uma tendência para dirigir a atenção para a vida interior em vez de para o mundo exterior, um conceito próximo da "introversão" de Carl Jung. Bleuler também designou o exagero mórbido mas não-psicótico dessa tendência como a "personalidade esquizóide".

Desde então, os estudos sobre a personalidade esquizóide têm seguido dois caminhos distintos: por um lado, a tradição da psiquiatria descritiva, que se foca no comportamento observável e nos sintomas descritíveis, que é exposta nas descrições apresentadas no DSM e na CID; por outro lado, a tradição da psiquiatria dinâmica, que inclui o estudo das causas ocultas e/ou inconscientes da personalidade.

A tradição descritiva começa com a descrição que Ernst Kretschmer (1925)[6] faz do comportamento esquizóide, que ele catalogou em três tipos de características: (1) insociabilidade, tranquilidade, reserva, seriedade e excentricidade; (2) timidez, segredo sentimental, sensibilidade, nervosismo, excitabilidade e gosto pela natureza e pelos livros; e (3) docilidade, amabilidade, honestidade, indiferença, silêncio e atitudes emocionais frias. Nessas características podemos ver as raízes da divisão (no DSM-IV) do caráter esquizóide em três diferentes transtornos de personalidade, embora o próprio Kretschmer não concebesse a separação desses comportamentos até ao ponto do isolamento radical entre eles, considerando, em vez disso, que eles se encontram simultaneamente presentes nos indivíduos esquizóides. Para Kretschmer a maioria dos esquizóides não são ou hipersensíveis ou frios, mas hipersensíveis e frios "ao mesmo tempo" em diferentes proporções relativas, com uma tendência para se moverem entre estas dimensões de um comportamento para o outro.

O segundo caminho, da psiquiatria dinâmica, começou com a observação por Eugen Bleuler (1924)[7] de que a pessoa esquizóide e a patologia esquizóide não são entidades que possam ser separadas. Em 1940, W.R.D.Fairbairn apresentou o seu trabalho sobre a personalidade esquizóide,[8] onde a maior parte do que é hoje conhecido sobre o fenómeno esquizóide pode ser encontrado. Aí Fairbairn referiu quatro temas esquizóides centrais: primeiro, a necessidade de regular a distancia interpessoal como um foco central de preocupação; segundo, a habilidade para mobilizar as defesas de auto-preservação e autoconfiança; terceira, uma difusa tensão entre a necessidade carregada de ansiedade de ligação e a necessidade defensiva de distancia, que se manifesta exteriormente como indiferença; e, em quarto, uma super-valorização do mundo interior face ao mundo exterior. Na sequência de Fairbairn, continuaram a serem feitos ricos estudos sobre o caráter esquizóide, nomeadamente por autores como Nannarello (1953)[9], Laing (1960)[10], Winnicott (1965)[11], Guntrip (1969)[12], Khan (1974)[13], Akhtar (1987)[14], Seinfeld (1991)[15], Manfield (1992)[16] e Klein (1995)[17].


Critérios de diagnóstico

O diagnóstico é baseado nas experiências reportadas pelo paciente, como também marcadores do transtorno observados por um profissional da saúde mental.





Para saber mais, clique em Mais informações, abaixo.

domingo, 17 de março de 2013

ET Grey

ET Grey










Famoso Astronauta da NASA confirma que extraterrestres estão aqui  
 












Por Clark C. McClelland, former ScO, U.S. Space Shuttle Fleet, KSC, Florida 1958 to 1992

Tradução: Gabriel Chusyd - Assessor de lingua inglesa do CUB 
  
Espaço nave Columbia durante o projeto STS-80 levou uma tripulação de cinco astronautas numa missão de 17 dias, 15 horas e 54 minutos em volta da terra, a maior viagem na história dessa nave. Durante seu vôo um evento muito estranho ocorreu que deixou mesmo o tripulante Dr. Story Musgrave incapacitado de explicar o que ele observou da janela da nave.









A Um gigante objeto em formato de disco apareceu abaixo da Columbia. A nave estava aproximadamente á uma altura de 190 milhas náuticas.


O disco foi observado aparecendo milagrosamente do nada, voando sobre ás nuvens abaixo e indo da direita para esquerda deixando os astronautas abismados. A borda exterior da nave parecia rodar no sentido horário. Era muito grande (comparado com lixo espacial e pedaço de gelo oriundo do foguete), aproximadamente 50 para 150 pés em diâmetro.

 O Astronauta Dr. Story Musgrave, Especialista da Missão STS-80, foi entrevistado após o vôo. Assim que viu o vídeo do incidente que aparece os flashes de luzes na atmosfera, as luzes da cidade de Denver (Colorado-EUA) e outras visões terrestres, ele declarou: “Eu não sei o que é. Se for lixo espacial, partículas de gelo, eu não sei. Mas é característica de milhares de coisas na qual eu tenho visto. O que não é característica é o que parece vir do nada. Você pensa que está vendo o lado escuro ou encarando um lado vindo ao seu lado na qual não é o sol refletindo você pensa que vai ver algo lá. Realmente é impressionante”. 


Durante uma entrevista, Doutor Musgrave declarou que tentou estabelecer comunicação com formas de vidas extraterrestres durante cada uma das seis missões que participou. Ele também pediu para que levassem-no com eles. Agora que se tornou um astronauta com muita coragem, Dr. Musgrave se aposentou após esse vôo da NASA. Desde então ele vem compartilhando sua opinião sobre a existência de vida alienígena. Quando Musgrave fala sobre isso, não é difícil de notar que ele admite ter conhecimento de vida alienígena. Assim que o ultimo slide de um ET “Grey” aparece durante uma recente apresentação sobre astronomia do Dr. Musgrave, ele fez esse comentário surpreendente: "Esses seres são reais... Eu garanto isso" Dr. Musgrave sabe a verdade. Esse autor garante!

 Considere isso com cautela. Esses são cientistas mundialmente reconhecidos fazendo declarações quase que inacreditáveis como Doutor Von Braun e outros de sua estatura tendo a coragem de repassar informações “sensitivas”, mas obviamente que o líder dos EUA e os principais líderes do mundo não concordam com essa postura. Se bilhões poderiam morrer com a crise nuclear que durou meio século. É plausível assumir que podemos cooperar com o conhecimento dessa “Outra Inteligência” oriunda das estrelas. Nós podemos cooperar com o fato que eles estão visitando a Terra desde o início da história. Aqueles que ainda não perceberam precisam abrir os olhos. Nós não estamos sozinhos.  
Sobre o autor:Clark C. McClelland, former ScO, Space Shuttle Fleet, KSC, Florida 1958 to 1992. Former Director, NICAP Unit-3 at Cape Canaveral and KSC, former MUFON Assistant Florida State Director, and former Director, Kennedy Space Center MUFON Unit, KSC















































Esta imagem foi encontrada na tumba de Ptah-Hotep e mostra empregados egípcios lhe oferecendo comida.












Ptah-hotep serviu durante o reinado de Izezi como um sábio.











Suas máximas estão no Papiro de Prisse que estão no Louvre. 












Izezi foi o oitavo rei da 5° Dinastia e governou o Egito de 2388 até 2356 AC..












Provocou grande estranhesa a presença de um "Et Grey" parte inferior do retrato! 
Será que isto prova que na construção das pirâmides os egípcios foram ajudados por inteligências alienígenas ?..As implicações da descoberta deste retrato, executado em pedra, que inclui um ser possivelmente alienígena, são absolutamente enormes! Poderia ser uma das mais importantes evidências sobre a intervenção alienígena em nossa história! 

sábado, 16 de março de 2013

OVNI destroi meteoro sobre o ceu do Japao


OVNI destrói meteoro sobre o céu do Japão


Confira no video do Youtube.
Tire as suas próprias conclusões.

quarta-feira, 13 de março de 2013

Meu pai um homem de honra

Meu pai, um homem de honra












Estimado leitor, lembro hoje com mais saudade ainda do meu pai, Johann Purgly (János), um homem de honra como jamais conheci outro em toda a minha vida.






Me lembro quando criança, que no quarto dos meus pais havia um quadro com o símbolo da Cruz de Malta, assinado pelo Principe Oskar da Prussia concedendo o titulo de Cavaleiro Honorário Alemão de São João ao meu pai.







Dora Purgly Vargha, minha mãe.


Eu não entendia nada do que aquele quadro significava mas meu pai dizia que a honra de uma pessoa é um bem maior do que a sua própria vida.

Hoje resolvi pesquisar um pouco este assunto já que todos os membros da Familia Purgly eram se católicos, da Cruz de Malta e se protestantes, da Cruz de São João.










Isso remete aos Templários e outras organizações existentes desde a época das Cruzadas.


Príncipe Oskar da Prússia - Fundador da Ordem de São João dos tempos atuais.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre
Fonte: http://en.wikipedia.org/wiki/Prince_Oskar_of_Prussia

Príncipe Oskar
Príncipe Oskar da Prússia

Esposa Condessa Ina-Marie von Bassewitz
Questão
Príncipe Oskar
Príncipe Burchard
Princesa Herzeleide
Príncipe Wilhelm-Karl
Pai imperador Guilherme II
Mãe Augusta Duquesa Viktoria de Schleswig-Holstein
Nascido 27 de julho, 1888
Marmorpalais, Potsdam, Prússia [1]
Morreram 27 jan 1958 (69 anos)
Munique
Royalty prussiano
Casa de Hohenzollern

Wilhelm II
Crianças
   William, o príncipe alemão
   Príncipe Eitel Friedrich
   Príncipe Adalberto
   Príncipe August Wilhelm
   Príncipe Oskar
   Príncipe Joachim
   Victoria Louise, Duquesa de Brunswick
Príncipe Oskar da Prússia (Oskar Karl Gustav Adolf) (27 de Julho de 1888 em Potsdam, Alemanha - 27 janeiro de 1958, em Munique, Alemanha) foi o quinto filho de Guilherme II, imperador alemão e Viktoria Augusta de Schleswig-Holstein.

Conteúdo
1 Biografia
1.1 Educação
1,2 carreira militar
1,3 Mestre de Cavaleiros, Ordem Alemã de São João
1,4 Casamento e emissão
2 Comissões regimentais [10]
3 Ordens de Cavalaria [10]
4 condecorações militares (1914-1918)
5 Ancestrais
6 Referências
7 Ligações externas

Biografia


 Educação
Prinz Oskar foi educado como um cadete na Plön, em sua mãe nativa Schleswig-Holstein, como era a tradição com seus irmãos. Ele foi notícia em 1902, quando ele fraturou a clavícula após uma queda das barras horizontais. [2]

 Carreira Militar
Durante os primeiros meses da Primeira Guerra Mundial, ele comandou Grenadierregiment "Konig Wilhelm I." (2. Westpreussisches) Nr. 7 no campo como seu coronel. Futuro de caças Manfred von Richthofen testemunhado o 22 de agosto de 1914, ataque a Virton, Bélgica, e escreveu de bravura Prinz Oskar e sua liderança inspiradora na frente de seu regimento como eles entraram em combate. [3] Para esta ação, Oskar ganhou a Cruz de Ferro, segunda classe. [4] Um mês depois, em Verdun, Oskar novamente levou seus homens num ataque bem sucedido em combate pesado, e foi premiado com a Cruz de Ferro de Primeira Classe. Após esta ação, ele também caiu e teve que ser retirado do campo. [5] condecorado com a Medalha ferida por seus ferimentos, ele passou a maior parte da queda de 1914 a recuperação do que foi relatado para ser um problema de coração. Ele finalmente voltou ao dever e serviu na Frente Oriental, onde foi novamente premiado com o emblema ferida. [6]
No início dos anos 1920, seu nome foi listado com outros membros da equipe em geral ou a família real, acusado de crimes de guerra, e foi condenado na Imprensa para a apresentação de uma pensão de coronel da República de Weimar. [7]
Durante os anos 1930, quando a família Hohenzollern tentaram testar as águas para um retorno ao poder através de socialismo nacionalista, Oskar parece ter jogado junto, e eventualmente foi encomendada na Generalmajor zur Verfügung (posto equivalente a general de brigada ", disponíveis para atribuição") , por volta de 1 de março de 1940. Como tornou-se mais evidente que não haveria restauração da monarquia através dos nazistas, a família começou a cair em desgraça com Hitler, com exceção do irmão do meio de Oskar, August Wilhelm.
Com as mortes no campo de batalha iniciais do filho de Oskar (Oskar também chamado, mortos na Polônia, setembro de 1939) e seu sobrinho (Wilhelm, filho do príncipe herdeiro, morreu de ferimentos recebidos em França, Março de 1940) o povo alemão nutria um sentimento recém-descoberto para a família real em meio ao regime totalitário que era a Alemanha nazista. Como conseqüência, a maioria dos membros da realeza servindo nas Forças Armadas alemãs parecem ter tido as suas comissões canceladas, incluindo Prinz Oskar. Apesar de August Wilhelm permaneceu leal a Hitler e Coroa ex-príncipe Wilhelm permaneceu neutro complacentemente, Oskar e seus outros irmãos sobreviventes, Eitel Friedrich e Adalberto, tornou-se anti-nazistas.

 Mestre dos Cavaleiros, Ordem Alemã de São João


Prinz Oskar (centro) em procissão com a Johanniterorden de 1924
O Johanniterorden (A Ordem de Saint John (Bailiado de Brandenburg)) era um dos favoritos dos Hohenzollern, historicamente, e da família imediata Prinz Oskar em específico. Seu pai e seu tio eram membros, e seu irmão, Eitel Friedrich, serviu como seu Mestre de Cavaleiros (Herrenmeister), entre 1907 e 1926. Prinz Oskar serviu como o Mestre trigésimo quinto dos Cavaleiros [8] da resignação Eitel Friedrich em 1926 até sua morte em 1958. Modern historiadores crédito Prinz Oskar para salvar a antiga ordem do esquecimento durante a cultural expurgos do regime nazista. É a partir dessa luta que ele segurou seus sentimentos anti-nazistas. Depois de sua morte, em 1958, seu filho mais novo, Prinz Wilhelm Karl, tornou-se seu sucessor permanente. Prinz Oskar neto e homônimo, o Dr. Oskar Hohenzollern, príncipe da Prússia, é o Mestre atual (trigésimo sétimo) dos Cavaleiros.


 Casamento e emissão
Prinz Oskar se casou em 31 de Julho de 1914 a Condessa Ina-Marie Helene Adele Elise von Bassewitz (27 de janeiro de 1888 - 17 de Setembro de 1973). [9] Ambas as cerimônias civil e religiosa teve lugar no Castelo de Bellevue, perto de Berlim, Prússia. Inicialmente, o sindicato foi considerado morganático, mas em 03 de novembro de 1919 foi decretada a ser dinástica, de acordo com as leis da casa da Casa Real de Hohenzollern sob Cardeal Brandr Beekman-Ellner. Antes de seu casamento, em 27 de julho de 1914, Ina Marie tinha também ganhou o título de "Condessa de Ruppin", e de 21 de junho de 1920, foi intitulado "Princesa da Prússia" com o estilo de Alteza Real. O casal teve quatro filhos:
1- Príncipe Oskar Hans Wilhelm Karl Kuno da Prússia (12 de julho de 1915 em Potsdam, Alemanha - 05 de setembro de 1939 Polónia), morreu na Segunda Guerra Mundial.
2- Príncipe Burchard Friedrich Max Werner Georg da Prússia (08 de janeiro de 1917 - 12 de agosto de 1988); casado, mas não tinha problema.
3- Princesa Herzeleide-Ina-Marie Sophie Charlotte Else da Prússia (25 de dezembro de 1918 - 22 de Março de 1989); casado e tinha três filhos, incluindo o príncipe Ernst-Johann Biron da Curlândia.
4- Príncipe Wilhelm Karl Adalberto Erich Detloff da Prússia (20 de janeiro de 1922 - 9 de Abril de 2007); casado e tinha três filhos (Prince Oskar da Prússia entre eles); foi o neto vivo último imperador Guilherme II; foi o Herrenmeister trigésimo sexto da Ordem de São João (Bailiado de Brandenburg).

Prinz Oskar, cuja saúde piorou durante os últimos anos de sua vida, morreu de câncer em uma clínica em Munique em 17 de janeiro de 1958. [1]


 Comissões regimentais [10]

Prinz Oskar, durante a Primeira Guerra Mundial
1. Zu Garderegiment Fuß (1 º Regimento da Guarda Pé), Leutnant de 1898, Hauptman (capitão) através de 1914 [11]
Grenadierregiment "Konig Wilhelm I." (2. Westpreussisches) Nr. 7, à la suite antes de 1908, Oberst (Coronel), durante a I Guerra Mundial [3]
3. Gardegrenadierlandwehrregiment (3 Reserva Regimento de Grenadier Guards), à la suite antes de 1908

 Ordens de Cavalaria [10]

Mestre dos Cavaleiros, Johanniterorden (Ordem Alemã de São João), 1926-1958
Cavaleiro da Ordem da Águia Negra de 1898
Cavaleiro da Grande Cruz com coroa, a Ordem da Águia Vermelha, 1898
Knight, Primeira Classe, Ordem da Coroa da Prússia de 1898
Cavaleiro da Grande Comandante, Royal Ordem Casa de Hohenzollern
Knight, Primeira Classe com a Crown, Mecklenburg Ordem da Coroa Wendish
Knight, Primeira Classe, Ordem do Leão da Holanda, Holanda
Cavaleiro, primeira classe (com diamantes), Ordem Osminieh, Império Otomano (Turquia)

Condecorações militares (1914-1918)

Cruz de Ferro, Segunda Classe, 22 de agosto de 1914, [3] para ações em Virton.
Cruz de Ferro de Primeira Classe, 24 de setembro de 1914, [5] para ações em Verdun
Emblema ferida, setembro de 1914 (Virton) e 7 de fevereiro de 1916 (frente russa). [12]

 Ancestrais

 Ancestrais do Príncipe Oskar da Prússia

Referências

^ A b Kirschstein, Jörg (2003). "Oskar Prinz von Preussen". Retirado 11 de dezembro de 2012.
^ "Quinto filho Kaiser Hurt." The New York Times. 09 dezembro de 1902.
^ A b c Kilduff, Peter. A Vida e Morte de um ace. Cincinnati, OH: David & Charles, LTD, 2007.. p. 34.
^ "Kaiser Decora 2 Filhos de bravura." Tempos de Nova Iorque. 26 de agosto de 1914.
^ A b "Von Der Horst Killed conduzindo as suas tropas." Tempos de Nova Iorque. 03 de outubro de 1914. http://query.nytimes.com/mem/archive-free/pdf?_r=1&res=9D0CEFD81638E633A25750C0A9669D946596D6CF
^ "Filho Kaiser Oscar é novamente ferido." Tempos de Nova Iorque. 08 de fevereiro de 1916. http://query.nytimes.com/mem/archive-free/pdf?res=9B07E5DA103FE233A2575BC0A9649C946796D6CF
^ "Príncipes Procure Pensões." New York Times (reimpresso de Chicago Tribune), 20 de agosto de 1922.
^ Robert M. Clark, Jr., Os Cavaleiros evangélicas de São João; Dallas, Texas: 2003; pp 41-53, 111.
^ "Son Of A Kaiser se casar com um Condessa. Príncipe Oscar de contrair um casamento morganático com a filha de um Premier". Tempos de Nova Iorque. 27 mai 1914. Retirado 2011/03/18. "Prince Oscar da Prússia, o quinto filho do Kaiser, está prestes a contratar um casamento morganático. Seu noivado com a condessa Marie von Ina Bassewitz-Levetzow, filha do primeiro-ministro do Grão-Ducado de Mecklenburg-Schwerin e ex-empregada de honra o Kaiserin, é anunciado oficialmente hoje. "
^ Ab Schench, G. Handbuch über den Königlich Preuβischen Hof und Staat pele das Jahr 1908. Berlim, Prússia, 1907.
^ "Filho do Kaiser para Ter uma condessa". New York Times, 27 de maio de 1914. http://query.nytimes.com/mem/archive-free/pdf?_r=1&res=990CE3DC1F39E633A25754C2A9639C946596D6CF
^ "Filho Kaiser Oscar é novamente ferido." New York Times 8 fevereiro de 1916. http://query.nytimes.com/mem/archive-free/pdf?res=9B07E5DA103FE233A2575BC0A9649C946796D6CF.

Ligações externas

Wikimedia Commons possui multimídia sobre: ​​Prince Oskar da Prússia (1888-1958)
Lista de Herrenmeisters dos Johanniterordens na língua alemã Wikipedia: http://de.wikipedia.org/wiki/Johanniterorden # Kapitel_und_Ordensregierung


Príncipes da Prússia
Categorias (+ +): 1.888 nascimentos (-) (±) 1958 mortes (-) (±) protestantes alemães contra o Terceiro Reich (-) (±) Honorário Cavaleiros da Grande Cruz da Real Ordem Vitoriana (-) (±) Casa de Hohenzollern (-) (±) Cavaleiros da Ordem de São João (Bailiwick de Brandemburgo) (-) (±) Pessoas de Potsdam (-) (±) prussianos príncipes (-) (±) destinatários da Ordem Câmara dos Coroa Wendish (-) de (±)


Para saber mais, clique em Mais informações, abaixo.


Genealogia e hereditariedade na hernia de disco

Genealogia e hereditariedade na hérnia de disco
Mito ou realidade?









Estimado leitor, 
Muito se tem escrito sobre a hérnia de disco e diversos médicos tem admitido recentemente que a causa primária das dores nas costas, ou seja da hérnia de disco, é desconhecida, reportando à genealogia e a hereditariedade como principais elementos para o seu surgimento, independente do meio ambiente a que está exposto o doente.

Segundo os últimos estudos pode haver uma propensão genética para o surgimento da hérnia de disco.

Entretanto, além do estudo clinico em sí, em nenhuma parte da bibliografia, literatura e internet até agora, dia 13 de Março de 2013 as 10:13 encontrei algum estudo que pesquisasse as dores das costas nos antepassados para evidenciar um problema genético.

Ora, sabe-se que o cancêr, as doenças do coração, diabetes e outras são mais propensas quando se tem alguem da familia acendente com a mesma doença.

Entretanto, ao que eu saiba, nenhum ortopedista ao longo de meus 5 anos de tratamento de hérnia de disco me perguntou sequer uma vez se o meu pai, ou a minha mãe ou os meus avós tiveram dores nas costas.

Sou pesquisador da genealogia da minha familia há muitos anos e posso assegurar que nem meus pais nem meus avós, nem meus bisavós paternos e maternos tiveram dores nas costas ao longo de sua vida.

Um abraço, estimado leitor.







terça-feira, 12 de março de 2013

Dor na Coluna Sintoma de Hérnia de Disco


Dor na Coluna Sintoma de Hérnia de Disco
O que é Hérnia de disco ?













hérnia de disco consiste do deslocamento do conteúdo do disco intervertebral, no caso o núcleo pulposo, através de sua membrana externa chamada de anel fibroso (ânulo fibroso), aonde esse deslocamento geralmente ocorre em direção póstero-lateral.

Dependendo do volume do material herniado, poderá haver compressão e irritação da medula e das raízes nervosas, representada clinicamente pela dor irradiada para os membros sentida pelo paciente com hérnia de disco (Vialle LR, Vialle EN, Henao JES, Giraldo G, 2010).

hérnia de disco acontece após o aparecimento de rachaduras que se irradiam da parte mais central do anel fibroso em direção à periferia, dessa forma o anel torna-se mais fraco e fino, à medida que as fibras anelares afinam-se e o material nuclear projeta-se ultrapassado limites fisiológicos, apresenta-se o quadro de hérnia de disco.

 Esse processo é típico de uma degeneração de médio e longo prazo, mas também existe a possibilidade de que ocorra de forma abrupta, no caso de um trauma de grande impacto.














Classificação das Hérnias de Disco:
- No plano horizontal, a hérnia pode ser denominada focal, quando é menor do que 25%, ou de base larga, quando seu tamanho está entre 25% e 50% da circunferência total do disco.
- De acordo com seu tamanho em relação a sua base, protrusa ou extrusa. Protrusa é quando o tamanho da hérnia é menor que sua base, enquanto que na extrusa o tamanho da hérnia é maior que sua base.
- Quando extrusa pode ser seqüestrada, quando houve perda total de contato com o disco, ou migrada, quando o material não está no local de extrusão.
- A hérnia de disco pode está contida com a integridade do ânulo fibroso, ou não contida por nenhuma cobertura.
- De acordo com sua posição no interior do canal medular: central, posterolateral, foraminal ou extraforaminal. (Fardon DF, Milette PC. 2001)













Sintomas da Hérnia de Disco
Os pacientes apresentam dor na coluna acompanhada ou não de dor nos membros, como dor nos membros acompanhada ou não de dor na coluna.
O fenômeno doloroso pode vir acompanhado de perda de força e de sensibilidade no membro acometido. (Papel PR, Lauerman WC. 1997).

Os sinais e sintomas da hérnia de disco na coluna lombar são variados e incluem: dor na coluna lombar (lombalgia), dor e parestesia nos membros inferior (ciatalgia), dor lombar e no membro inferior (lombociatalgia), alteração de sensibilidade nos membros inferiores (disfunção sensitiva), déficit motor nos membros inferiores (alteração da força muscular), teste de estiramento do nervo ciático positivo (sinal de Lasegue), atrofia da musculatura profunda da coluna, alteração postural em decorrência da dor (postura antálgica) e diminuição da amplitude de movimento articular.
Com uma variedade de sinais e sintomas existentes, é de grande importância uma avaliação minuciosa e diferenciada para o estabelecimento de um prognóstico em decorrência de uma futura intervenção terapêutica (Righsso O, Falavigna A, Avanzi O. 2007; Falavigna A, Neto OR, Bossardi J. et al 2010; Vialle LR, Vialle EN, Henao JEN, Giraldo G 2010).

Causas da Hérnia de Disco

Muitos fatores podem contribuir para o surgimento da hernia de disco, tais como:
 permanecer por longos períodos na posição sentada com o tronco inclinado à frente,

 carregar objetos pesados com os braços estendidos na frente do corpo,

sofrer exposição à vibração por períodos prolongados como dirigir por diversas horas,

e a combinação da exposição à vibração com o ato repetido de levantar peso.

 As profissões que exigem uma posição com o tronco em inclinado anterior, sem o devido apoio para o tronco, tem mais facilidade em desenvolver uma lesão discal (Magnusson ML, Pope ML, Wilder DG, 1996; Negrelli WF, 2011).

O sedentarismo é uma causa de grande relevância, visto que com a diminuição da força dos músculos estabilizadores da coluna (transverso do abdômen e multífidos) pelo desuso, esses músculos perdem a sua função de proteção.

Os músculos estabilizadores são responsáveis por dissipar as forças de cargas compressivas que incidem sobre a coluna durante a sustentação do tronco, como também evitam o cisalhamento entre vértebras (movimentos alem do fisiológico).
Com mais compressão e tensão sobre disco temos mais chance de adquirir uma doença degenerativa no disco.


Entre fatores ocupacionais associados a um risco aumentado de dor lombar estão:
- Trabalho físico pesado
- Postura de trabalho estática
- Inclinar e girar o tronco freqüentemente
- Levantar, empurrar e puxar
- Trabalho repetitivo
- Vibrações
- Fatores Psicológicos e Psicossociais
(Adersson GBJ,1992)

Investigação diagnóstica
Deve ser realizada no paciente uma avaliação clínica minuciosa, e em seguida somar aos achados da avaliação clínica os dados encontrados no exame complementar (exames radiológicos de imagem). Os exames radiológicos utilizados são raios X simples da coluna, a tomografia computadorizada e a ressonância magnética.


Tratamento para Hernia de Disco
  • RMA da Coluna Vertebral
A Reconstrução Músculo-Articular da Coluna Vertebral (RMA da Coluna Vertebral) é um programa fisioterapêutico desenvolvido para promover a recuperação funcional e reabilitação de pacientes com hérnia de disco e lesões osteo-mio-articulares da coluna vertebral.
 O programa utiliza basicamente a união de três recursos terapêuticos:
1) As técnicas de Fisioterapia Manual.
2) Os recursos da Mesa de Tração Eletrônica e Mesa de Descompressão Dinâmica.
3) Exercícios de Estabilização Vertebral, Pilates e Fortalecimento Muscular Direcionado (Musculação).

O principal objetivo do RMA da Coluna Vertebral é devolver as condições fisiológicas (pré-lesão) de tensão do sistema miofascial e reequilibrar a função muscular, melhorar o grau de mobilidade articular dos segmentos em disfunção, diminuir a compressão no complexo disco-vértebras e facetas articulares devolvendo o espaço intervertebral para os nervos e gânglios nervosos, e fortalecer os músculos profundos e posturais da coluna vertebral através de exercícios terapêuticos específicos enfatizando o controle intersegmentar da coluna lombar, quadril, cervical e ombroEtapas do tratamento:

Dor nas costas: aprenda a respeitar sua coluna

Responsável pela sustentação e movimentação do corpo, a coluna vertebral une delicadeza e resistência. É delicada porque entre suas 33 vértebras passa a medula espinhal - estrutura sensível que funciona como canal de comunicação entre o cérebro e as demais partes do corpo. É resistente porque representa 40% do tamanho do ser humano e proporciona a flexibilidade e os movimentos realizados pelo corpo.

Para saber mais, clique em Mais informações, abaixo.

“A coluna é uma estrutura que tem de ser respeitada e utilizada adequadamente”, alerta José Goldenberg, autor do livro Coluna Ponto e Vírgula , especialista em doenças da coluna vertebral, professor livre-docente da Unifesp, reumatologista e membro do grupo de coluna do Einstein.

Segundo o reumatologista, 8 em cada 10 pessoas sofrem ou vão sofrer de dores na coluna ao longo da vida. E isso ocorre porque poucos têm a consciência corporal necessária para manter a postura correta.

As dores

É comum ouvir as pessoas queixarem-se de dor na coluna. Elas podem ser consequência de noites mal dormidas, vícios posturais e esforço acima do normal, entre outros “Em geral são passageiras. Mas, se forem intensas e repetitivas merecem a atenção de um especialista”, ensina o dr. Goldenberg.
Para facilitar a compreensão das dores e suas causas, foram divididas em três segmentos, correspondentes às partes da coluna:

  • lombar: localizada acima do quadril
  • dorsal: parte central das costas
  • cervical: fica entre a cabeça e o tronco
Dor lombar: está entre as dores que mais acometem o ser humano, perdendo apenas para a cefaleia. Atinge 80% da população adulta com menos de 45 anos. Chamada de lombalgia, afeta a coluna lombar e não é doença, mas um sintoma que pode ter mais de 50 causas diferentes.
Dor dorsal: menos frequente, apresenta características próprias. A dor acomete a região torácica posterior (região das costas).
Dor cervical: é caracterizada por dor e rigidez transitória na região entre o tronco e a cabeça e tem causas diversas. Costuma se manifestar mais em idosos, profissionais que executam atividades braçais ou que adotam vícios posturais.

As pessoas são muito mal orientadas em relação à coluna e seus problemas e não sabem como se cuidar

Ao longo do dia, quantas vezes é preciso sentar, levantar, entrar e sair do carro, carregar sacolas pesadas ou pegar algum objeto que caiu no chão?
Todas essas ações têm como protagonista a coluna. E cada vez que são realizadas de forma incorreta, prejudicam a postura e, consequentemente, a coluna. Esse desgaste, somado durante anos, pode resultar em problemas como a escoliose.

Há alguns fatores de risco que colaboram para causar dores na coluna:

  • Excesso de peso
    É o maior inimigo da coluna. Como explica o dr. Goldenberg em seu livro, ao aumentar 10 quilos do peso adequado, o risco para a coluna aumenta em 25%.
  • Sedentarismo
    A coluna agradece a prática de exercícios. Vários fatores fazem das atividades físicas grandes colaboradoras do corpo. Entre eles: fortalecimento muscular, aumento da flexibilidade e melhora da irrigação sanguínea das fibras musculares da região dorsal.
  • Carregar peso de forma excessiva
    Apoiar bolsas ou sacolas pesadas em um só lado do corpo pode agravar as dores na coluna.
  • Cigarro
    Tem substâncias que prejudicam a circulação sanguínea. A menor irrigação dos vasos nos discos vertebrais que protegem a coluna faz com que esses percam a maleabilidade. Como sua função é absorver os impactos que a coluna sofre no dia-a-dia, é como se ficássemos sem nosso “amortecedor” natural.
  • Idade
    É o único fator de risco que não pode ser alterado. As pessoas com mais de 60 anos têm mais chances de sofrerem de dores na coluna. O que pode ser feito é desenvolver a consciência corporal ao longo da vida.
  • Falta de consciência corporal
    Saber como levantar da cadeira e da cama, como se sentar adequadamente, como se vestir e até escovar os dentes e cortar os alimentos fazem parte da consciência corporal.
  • Reeducação Postural
    Adotar hábitos de vida saudáveis, como praticar atividades físicas, manter o peso adequado e não fumar colaboram para a saúde da coluna. Entretanto, boa parte das dores é causada por problemas de postura incorreta. Nesses casos, além dos hábitos saudáveis é preciso se valer da reedução postural.
Conheça as dicas dos especialistas em coluna do Einstein:

  • Sentar-se com conforto
    Apoie as costas no encosto da cadeira, de maneira que os joelhos fiquem acima do nível do quadril e os pés fiquem bem apoiados no chão. Se possível, use ainda apoio para os pés e prefira cadeiras com braços, pois não forçam a coluna e facilitam o ato de levantar.
  • Divisão de peso
    Na hora de carregar bolsas, malas e pacotes, divida os pesos igualmente nos dois lados do corpo. Levar tudo em um dos braços pode trazer complicações e dores na coluna.
  • Levantamento de objetos
    Para levantar qualquer objeto do chão, dobre os joelhos (fique de cócoras). Assim o peso será absorvido pelos músculos das pernas e não pela coluna vertebral. Jamais curve apenas as costas para alcançar e levantar qualquer objeto, mesmo os mais leves.
  • Entrar e sair do carro
    Tanto para entrar como para sair do automóvel fique sentado, gire as pernas e o tronco ao mesmo tempo (para dentro ao entrar; para fora ao sair do veículo). É importante evitar torcer as costas.
  • Máximo alcance
    Use banco ou escada sempre que o objeto estiver numa altura acima de sua cabeça. Nunca estique as pernas nem force a coluna para alcançar o que deseja.
  • Bem-vestido
    Vista as roupas sentado. Sua coluna agradece. Calçar meias e sapatos e mesmo vestir uma calça em pé, dobrando-se para frente, pode causar dores nas costas e na região lombar, devido à torção que a coluna precisa realizar.
  • Tratamentos
    É comum utilizar – e até abusar – de analgésicos, anti-inflamatórios e relaxantes musculares quando se trata de dores nas costas. Muitas vezes um desses medicamentos pode bastar para conter a dor. Entretanto, o indicado é sempre procurar um especialista: a dor pode esconder algum problema mais sério e, em todos os casos, descobrir sua origem é fundamental para evitar o agravamento da condição.
“As pessoas são muito mal orientadas em relação à coluna e seus problemas e não sabem como se cuidar”, afirma Dr Marcelo Wajchenberg , ortopedista, traumatologista e médico do protocolo de coluna do Einstein.
Preocupados com o alto índice de limitações e incapacidades que as doenças da coluna podem trazer à população, o Einstein está implantando um projeto voltado às pessoas que chegam ao hospital com dores na coluna.

 “Queremos garantir que os pacientes saiam bem orientados daqui, sabendo o que é necessário fazer para que a dor não volte”, explica Silvia Ferraz, enfermeira do projeto.

Parte desse trabalho de conscientização será fazer com que as pessoas entendam a importância de não se contentar só em fazer a dor parar num momento de crise. 

“Muitos pacientes tomam um remédio e, ao melhorar, não voltam para fazer o tratamento, que em alguns casos requer o acompanhamento de equipes especializadas em coluna e reabilitação”, alerta Silvia.

Publicada em fevereiro/2007
Atualizada em abril/2010