Google Tag Manager

terça-feira, 16 de julho de 2013

Waltzing Matilda significado e traducao









Walzing Matilda, significado e tradução.


Waltzing Matilda
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Fonte: 
http://pt.wikipedia.org/wiki/Waltzing_Matilda

Waltzing Matilda é a canção folclórica mais popular da Austrália

Muitos australianos consideram-na mesmo como um segundo hino nacional, ou uma alternativa ao oficial Advance Australia Fair

Sua letra foi escrita em 1895 pelo poeta Banjo Paterson.

Segue sua letra, em inglês:


Once a jolly swagman camped by a billabong,
Under the shade of a coolibah tree,
And he sang as he watched and waited 'til his billy boiled
"Who'll come a-Waltzing Matilda, with me?"
Waltzing Matilda, Waltzing Matilda
Who'll come a-Waltzing Matilda, with me
And he sang as he watched and waited 'til his billy boiled,
"Who'll come a-Waltzing Matilda, with me?"
Along came a jumbuck to drink at the billabong,
Up jumped the swagman and grabbed him with glee,
And he sang as he stowed that jumbuck in his tucker bag,
"You'll come a-Waltzing Matilda, with me".
Waltzing Matilda, Waltzing Matilda
Who'll come a-Waltzing Matilda, with me
And he sang as he stowed that jumbuck in his tucker bag,
"You'll come a-Waltzing Matilda, with me?".
Up rode the squatter, mounted on his thoroughbred,
Down came the troopers, one, two, three,
"Whose is that jumbuck you've got in your tucker bag?"
"You'll come a-Waltzing Matilda, with me".
Waltzing Matilda, Waltzing Matilda
Who'll come a-Waltzing Matilda, with me
"Whose is that jumbuck you've got in your tucker bag?",
"You'll come a-Waltzing Matilda, with me?".
Up jumped the swagman, leapt into the billabong,
"You'll never catch me alive," said he,
And his ghost may be heard as you pass by the billabong,
"Who'll come a-Waltzing Matilda, with me".
Waltzing Matilda, Waltzing Matilda
Who'll come a-Waltzing Matilda, with me
And his ghost may be heard as you pass by the billabong,
"Who'll come a-Waltzing Matilda, with me?"

Glossário
swagman 

personagens históricos australianos que viajavam pelo país a procura de trabalho, vestindo um chapéu, geralmente com rolhas penduradas à sua aba, para espantar as moscas nas regiões mais remotas. 

Sua swag era algo como uma trouxa contendo os seus pertences.

waltzing derivada da expressão alemã auf der Walz, que define o antigo costume de artesãos de viajar por 3 anos e 1 dia, aprendendo com outros mestres novas técnicas, um costume ainda hoje praticado por carpinteiros.

Matilda um termo mais "carinhoso" para a "trouxa" carregada pelo swagman. 
Supõe-se que à trouxa foi dado um nome de mulher por esta ser a única "companheira" do swagman durante suas longas jornadas.

Waltzing Matilda como deduz-se dos termos já mencionados acima, significa viajar pelo país à maneira de um swagman, com os pertences embrulhados por um pano, carregado nas costas.

billabong um lago com águas estagnadas derivadas de um rio. 

É algo como um braço de rio que não desagua em lugar algum.

coolibah tree uma espécie de árvore (eucalipto) que cresce nas proximidades de um billabong, nativa da Austrália.

jumbuck nome dado pelos aborígenes australianos ao carneiro.

billy uma lata onde se ferve água, com volume de cerca de 1,5 litros.

tucker bag um saco para carregar alimentos.

troopers policiais.

squatter pioneiros colonos australianos que começaram a criar gado em terras que não lhes pertenciam, mas das quais acabaram conseguindo, em muitos casos, posse legal, e enriqueceram graças às suas extensas terras.


Ligações externas
Website sobre música australiana

Youtube: 
https://www.youtube.com/watch?v=VEVKUE_ma00
Fonte: 
http://letras.mus.br/lazy-harry/699329/traducao.html


Waltzing Matilda
Once a jolly swagman camped by a billabong
Under the shade of a coolibah tree
He said as he watched and waited 'till his billy boiled
Who'll come a Waltzing Matilda with me?

Waltzing Matilda, Waltzing Matilda
You'll come a Waltzing Matila with me
He sang as he watched and waited 'till his billy boiled
You'll come a Waltzing Matilda with me

Down came a jumbuck to drink at that billabong
Up jumped the swagman and grabbed him with glee
He laughed as he shoved that jumbuck in this tuckerbag
You'll come a Waltzing Matilda with me

Down came the squatter mounted on this throughbred
Up jumped the troopers, one, two, three
Where's that jolly jumbuck you've got in your tuckerbag?
You'll come a Waltzing Matilda with me

The swagman he got up and jumped into that billabong
You'll never catch me alive said he
His ghost may be heard as you pass by that billabong
You'll come a Waltzing Matilda wih me


Manta de Viagem Enrolada
Uma vez que um alegre trabalhador viajante acampa ao lado de um lago
Sob a sombra de uma árvore de eucalipto
Ele disse que viu e esperou até que a água estivesse fervida
Quem verá uma manta de viagem enrolada comigo?

manta de viagem enrolada, manta de viagem enrolada
Você verá manta de viagem enrolada comigo
Cantou enquanto esperava a água ferver
Você verá uma manta de viagem enrolada comigo

Uma ovelha desceu para beber água no lago
O trabalhador viajante saltou e agarrou-a com alegria
Ele riu quando empurrou a ovelha nesse saco de comida
Você verá uma manta de viagem enrolada comigo

Veio para baixo o agricultor montado em um cavalo caro
Saltaram, uns, dois, três policiais
De onde é a ovelha alegre que você tem em seu saco de comida?
Você verá uma manta de viagem enrolada comigo

O trabalhador viajante se levantou e saltou no lago
Você nunca vai me pegar vivo disse ele
Seu fantasma pode ser ouvido como você passar por aquele lago
Você verá uma manta de viagem enrolada comigo

quinta-feira, 11 de julho de 2013

Escolastica

Escolástica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Fonte: 
https://pt.wikipedia.org/wiki/Escol%C3%A1stica


Filosofia


Áreas

Metafísica
Epistemologia
Lógica
Ética
Filosofia Política
Filosofia da ciência
Antropologia filosófica

Períodos
Antiga
Medieval
Moderna
Contemporânea

Tradições

Analítica
Continental
Oriental
Islâmica
Platônica
Escolástica

Filósofos

Platão
Aristóteles
Agostinho
Tomás de Aquino
Descartes
Spinoza
Leibniz
Locke
Berkely
Hume
Kant
Hegel*Schopenhauer
Mill
Marx
Nietzsche
Russell
Wittgenstein
Husserl
Heidegger

Literatura

Epistemologia
Estética
Ética
Lógica
Metafísica
Filosofia política

Listas

Tópicos
Áreas
Cronologia
Princípios
Filósofos
PortalCategoria

ve



Escolástica ou Escolasticismo (do latim scholasticus, e este por sua vez do gregoσχολαστικός [que pertence à escola, instruído]) foi o método de pensamento crítico dominante no ensino nas universidades medievais europeias de cerca de 1100 a 1500. 

Não tanto uma filosofia ou uma teologia, como um método de aprendizagem, a escolástica nasceu nas escolas monásticas cristãs1 , de modo a conciliar a cristã com um sistema de pensamento racional, especialmente o da filosofia grega2

Colocava uma forte ênfase na dialética para ampliar o conhecimento por inferência e resolver contradições. 

A obra-prima de Tomás de Aquino, Summa Theologica, é frequentemente vista como exemplo maior da escolástica.


Índice
1 O pensamento escolástico
2 Principais representantes do pensamento escolástico
3 Neoescolástica
3.1 Corrente tradicional
3.2 Corrente progressista
3.3 Escolas
3.3.1 Histórica
3.3.2 Progressista
3.3.3 Crítica
3.4 Elementos tradicionais
3.5 Visões externas
4 Ver também
5 Referências
6 Ligações externas

O pensamento escolástico

De acentos notadamente cristãos, a escolástica surgiu da necessidade de responder às exigências da , ensinada pela Igreja, considerada então como a guardiã dos valores espirituais e morais de toda a Cristandade. Por assim dizer, responsável pela unidade de toda a Europa, que comungava da mesma fé. Essa linha vai do começo do século IX até ao fim do século XVI, ou seja, até ao fim da Idade Média. Esse pensamento cristão deve o seu nome às artes ensinadas na altura pelos acadêmicos (escolásticos) nas escolas medievais. Essas artes podiam ser divididas em Trivium (gramática, retórica e dialéctica) e Quadrivium (aritmética, geometria, astronomia e música). A escolástica resulta essencialmente do aprofundar da filosofia.3

Para saber mais, clique em Mais informações, abaixo.

segunda-feira, 8 de julho de 2013

Os 6 pilares da Empregabilidade segundo Minarelli

Os 6 Pilares da Empregabilidade Segundo Minarelli


Empregabilidade
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Fonte: 
http://pt.wikipedia.org/wiki/Empregabilidade

Foto do Autor: José Augusto Minarelli, 2010



A empregabilidade baseia-se numa nomenclatura dada à capacidade de adequação do profissional às novas necessidades e dinâmica dos novos mercados de trabalho. 

Com o advento das novas tecnologias, globalização da produção, abertura das economias, internacionalização do capital e as constantes mudanças que vêm afetando o ambiente das organizações, surge a necessidade de adaptação a tais fatores por parte dos empresários e profissionais.

O termo empregabilidade foi criado por José Augusto Minarelli, no fim dos anos 90. 

Remete à capacidade de um profissional estar empregado, mas muito mais do que isso, à capacidade do profissional de ter a sua carreira protegida dos riscos inerentes ao Mercado de Trabalho.

José Augusto Minarelli estabelece (1995) , o que ele chama de seis pilares da empregabilidade, que garantem a segurança profissional do indivíduo.

1- Adequação da profissão à vocação

Uma vez que para tornar-se um bom profissional e um ser humano realizado, o indivíduo deve conciliar a sua função com a capacidade e paixão pelo que faz.
2- Competências

Preparo técnico;
capacidade de liderar pessoas;
habilidade política;
habilidade de comunicação oral e escrita em pelo menos dois idiomas;
habilidade em marketing;
habilidade de vendas;
capacidade de utilização dos recursos tecnológicos

3- Idoneidade

A idoneidade implica confiança de parte a parte e entre outros fatores, podem-se considerar:
ética;
conduta;
correção;
respeito.
responsabilidade

4- Saúde física e mental

Cuidar do equilíbrio, do desgaste exagerado, cuidar do corpo, pessoas saudáveis tem bons relacionamentos e interage de maneira favorável, evitar vícios como fumo, álcool e drogas. Manter sua auto-estima e sua capacidade de realizar projetos.

5- Reserva financeira e fontes alternativas de aquisição de renda

A perda do emprego significa a perda da entrada de receita. 
Você deve fazer uma reserva mês a mês; a reserva é uma defesa, uma garantia que o sustenta. 
O projeto profissional deve ocorrer paralelamente. 
Seu negócio próprio de qualquer dimensão, também pode ser uma fonte alternativa de renda.

6- Relacionamentos

Quem conhece pessoas, adquire informações importantes e relevantes, uma pessoa cuidadosa registra seus relacionamentos.

 Guarda e cuida deles, retorna as ligações, que podem ser oportunidades de trabalho.
 Em termos profissionais é muito importante ter um networking, uma forma de se manter conectado a sua rede de relacionamentos. Mantenha contato com essas pessoas.

Sobre o autor:
José Augusto Minarelli
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Fonte: 
http://pt.wikipedia.org/wiki/Jos%C3%A9_Augusto_Minarelli


José Augusto Minarelli (Jaú, 21 de setembro de 1944) é um educador escritor e empresário brasileiro, tem obras publicadas pela Editora Gente.


Índice
1 Carreira
2 Obras publicadas
3 Ver também
4 Ligações externas
4.1 Referências ao autor
4.2 Palestras
4.3 Variadas
4.4 Fotos

Carreira

Filho de Mario Minarelli e Rosa Minarelli, fez o curso normal no Instituto de Educação Caetano Lourenço de Camargo, em Jaú.


Começou o trabalho com seleção de pessoas em um banco, ainda como estudante universitário

Fez carreira em recursos humanos, atuando nas áreas de seleção, treinamento, desenvolvimento e educação

Foi professor universitário, e implantou o curso de graduação em treinamento em uma faculdade de São Paulo. 

Trabalhou também com orientação vocacional e profissional a jovens estagiários. 

Em 1979 passou pelo que ele próprio denomina ser a primeira grande experiência da sua vida profissional: ter sido demitido. 

E, na sequência, pelo que considera ser sua segunda grande experiência: ter procurado emprego e não ter encontrado. 

Iniciou então sua carreira como consultor, descobriu que o outplacement era algo novo, que começava a ser desenvolvido nos Estados Unidos e ainda não existia no Brasil

Resolveu então estudar melhor este assunto, que associava sua experiência como Educador à experiência de seleção e treinamento de pessoas. 

Adaptou a solução ao mercado brasileiro, fundando então, juntamente com sua esposa, Glória Ferreira Lens Minarelli, a empresa Lens & Minarelli Associados, em 1982, uma consultoria especializada em recolocação e aconselhamento de carreira

Seu caso de sucesso é considerado um exemplo para os especialistas da área. 

É atualmente diretor-presidente da empresa, conselheiro do Centro de Integração Empresa Escola (CIEE) e autor de diversos livros.

Obras publicadas

Empregabilidade: Como ter trabalho e remuneração sempre. 13ª. Ed. Gente, 1995
Como trabalhar por conta própria: uma opção que pode dar certo. Ed. Gente, 1997
Venda seu Peixe: como vender seus serviços profissionais. Ed. Gente
Networking: como utilizar a rede de relacionamentos na vida e carreira. Ed. Gente
Inteligência Mercadológica. 13ª. Ed. Gente, 2009
Carreira Sustentável: como enfrentar as transições de carreira e ter trabalho e renda dos 18 aos 81 anos. Ed. Gente, 2010
Participação na coletânea de memórias Aprendi com meu pai, idealizada pelo jornalista e editor Luís Colombini.

Ligações externas

Empregos.com.br (transcrição completa de chat com o autor)
Matéria na Revista Vencer
Lens & Minarelli (Empresa do Autor)
Entrevista na Rede Mulher
Do site www.empregos.com.br (em formato JPG)
Canal RH (em formato JPG)

sexta-feira, 5 de julho de 2013

O que e Perestroika

O que é Perestroika?

Perestroika
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Fonte: 
http://pt.wikipedia.org/wiki/Perestroika

História da Rússia


Eslavos do Leste
Caganato Cazar
Rússia Kievana
Principado de Vladimir-Súzdal
Bulgária do Volga
Invasão Mongol
Canato da Horda Dourada
Principado de Moscovo
Canato de Cazã
Czarado da Rússia
Império Russo
Revolução de 1905
Revolução de 1917
Revolução de Fevereiro
Revolução de Outubro
Guerra Civil
União Soviética
Era Stalin
Era Khrushchov
Era da Estagnação
Corrida espacial
Perestroika e Glasnost
Federação da Rússia



Perestroika (do russo: перестройка, literalmente "reconstrução" ou "reestruturação") foi, em conjunto com a Glasnost, uma das políticas introduzidas na União das Repúblicas Socialistas Soviéticas porMikhail Gorbachev, em 19851 .

A palavra Perestroika, que literalmente significa reconstrução, recebeu a conotação de reestruturação (abertura) econômica2


Gorbachev percebeu que a economia da União Soviética estava a falhar e sentiu que o sistema socialista, apesar de não precisar de ser substituído, certamente necessitava de uma reforma, e isto seria levado a cabo pelo processo da Perestroika. 

Uma chave principal daPerestroika era reduzir a quantidade de dinheiro gasta em defesa e, para fazer isso, Gorbachev sentiu que a União Soviética deveria: desocupar o Afeganistão, negociar com os Estados Unidos a redução de armamento (os acordos de Yalta) e não interferir em outros países comunistas (a Doutrina Sinatra).3

Postal soviético relaciona comemorações do Grande Outubro com a Perestoika e oGlasnost


Para saber mais, clique em Mais informações, abaixo.

terça-feira, 2 de julho de 2013

O que e um favicon

O que é um favicon?






Favicons (palavra derivada de favorite (favorito) e icon (ícone)) são pequenas imagens no formato .ico com cerca de 16x16 pixels que ficam guardados em um site para visualização pelo navegador

Em alguns navegadores como Internet Explorer até a versão 6, só exibem os favicons quando um site é adicionado aos favoritos.

 Neste caso, apenas no menu correspondente aos favoritos pode-se encontrar a imagem. 

Em outros navegadores como Firefox, Opera, Google Chrome e Internet Explorer 7(+), os favicons podem ser encontrados também nas abas e na barra de endereço.

Os favicons também têm teor de acessibilidade pois ajudam um usuário comum a identificar uma página quando ela está exibida em uma lista ou em uma barra de abas. 

Visando isto, muitos favicons são imagens simplificadas do logotipo da marca que representam.

Na ausência de um favicon, os navegadores exibem seu próprio ícone ou um ícone padrão como uma folha em branco.