Google Tag Manager

domingo, 28 de dezembro de 2014

Homenagem para Hannah Lima uma artista completa

Homenagem para Hannah Lima, uma artista completa
A melhor artista de HipHop e Rap do Brasil.



Estimado leitor, conheci há pouco uma pessoa maravilhosa: a cantora Hannah  Lima.

Esta postagem é uma homenagem para ela de seu novo fã: eu.
- Hannah, espero sempre poder continuar merecendo a sua amizade. Você veio para trazer 
alegria para este mundo. Eu te reverencio.

Fontes:
www.hannahlima.com
www.myspace.com/hannahlima
www.youtube.com/hannahlimabrasil
www.facebook.com/hannahlimabrasil


Postagem previamente autorizada pela cantora, todos os direitos reservados à ela.


Publicar no seu blog? data de 27 de dezembro de 2014.
"Pode sim querido
Foi assim:
O teatro em 1989,
Com Magal foi intenso muita TV e shows cantando e dançando mas durou também exatamente um ano que foi o de 1990.


Em 1992 fiz um musical Verde Que Te Quero Ver.


Em 1993 a Fernanda Abreu me ligou pois havia ouvido falar de mim e fui cantar e dançar com ela e a tour também só durou um ano até meados de 1994.


Em 1994 que foi quando o Evandro resolveu voltar pela primeira vez com a Blitz em sua formação original, porém sem a Fernanda, e eu fui para ocupar o lugar que nos anos 80 era dela ! E que era para ser 6 meses e durou 3 anos, até 1997!


Dai em diante me dediquei ao primeiro CD solo que saiu no ano 2000 pela extinta Abril MUSIC e depois passou a ser propriedade da Deck Disc esse CD que ela colocou esse ano no iTunes !


Em 2009 consegui gravar e prensar independente o cd NEGUINHA! Não quis nem ouvir falar em gravadora devido a traumas com a Abril Music.

Com esse CD fiz vários shows, abri o show do cantor internacional Akon e tive músicas tocando em rádios como a FM o Dia e Beat 98!

Fui indicada ao premio Hutuz como a melhor Artista de Hiphop e fiz show no palco principal do festival sendo seguida dos Racionais MCs .


Em 2010 Nando Reis me convidou para gravar seu DVD Bailão do Ruivão e sigo em tour com ele até hoje já tento gravado também outro DVD chamado Sei - Como Foi Em BH, e tambem um CD de estúdio que saiu junto!

Estou há 4 anos cantando com o Nando e preparo um novo CD solo, se Deus quiser, para pano que vem !

Esse ano 2014 participei como artista solo do melhor festival de música de São Paulo eleito pela Folha de SP o SP Rap!

É isso!" 
- Parabéns querida amiga muita alegria e sucesso do fundo do meu coração é o que eu desejo a você, Hannah Lima. (Jorge Purgly).

 O relato de Hannah Lima
“Comecei profissionalmente aos 17 anos num grupo de Teatro Musical ministrado por Deto Montenegro, irmão do Osvaldo Montenegro, no CIEP do Cantagalo, que na época não funcionava como escola e sim estava ocupado como moradia por algumas pessoas.


“A polícia invadia direto, era tensa a situação do morro e eu ficava lá todos os dias das 20hs até as 23:30h...

“Muitas vezes os meninos vinham avisar e a gente tinha que descer de lá naquela situação...
“Vi muita coisa ruim...
“Vivi situações críticas ali, mas isso é outro assunto...
“Ensaiávamos e depois de um ano fizemos uma peça musical.
“Ali comecei a vencer a timidez que me impedia de mostrar minha voz, a dança etc.”

“Aos 18 anos passei num teste para ser backing vocal e dançarina do Sidney Magal. Acreditem, aprendi muito com ele! 

“Depois, aos 21 anos de idade, a Fernanda Abreu me ligou dizendo que eu havia sido indicada por um músico e fui ser backing vocal dela na época da música Rio 40 Graus.


“Em seguida veio a Blitz em 1994, gravei um disco ao vivo e inicialmente a turnê duraria 6 meses, estourou e acabei ficando 3 anos.
“Essas experiências com estilos completamente distintos foram fundamentais para minha formação e aprendizado de palco.
Pude me experimentar em estilos que eu jamais faria e vivenciar momentos especiais junto a esses artistas, o que me possibilitou posteriormente estrear na carreira solo como se fosse uma veterana. 

“Lógico que paralelamente a todos esses trabalhos eu desenvolvia minha identidade, minhas músicas e também procurava estar presente nos bailes Blacks. Interagia com muitos cantores do estilo como os meus irmãos do antigo Ebony Vox, as Sublimes, As Damas do Rap, e outros.

“ Em 1999 consegui vender meu cd ainda em demo pra uma gravadora de São Paulo, a Abril Music - que comprou a produção pronta pagando também uma mixagem no Estúdio Nas Nuvens.

“Entre 2000/ 2001 lancei então o CD INTUITIVA e tive 2 singles tocando nacionalmente.

“Em 2003 eu pedi a rescisão devido a vários problemas e falta de entendimento com a gravadora e decidi seguir independente.

“Em 2008 gravei o cd NEGUINHA e em março de 2009 a primeira tiragem chegou em minhas mãos.Sigo trabalhando esse cd.






Para saber mais, clique sobre mais informações, abaixo.




“Essencialmente, sou uma pessoa salva pela música, que desde criança expressa sua existência e seus sentimentos através do canto.

“Uma pessoa abençoada com um dom divino que me ajudou a suportar perdas e situações insuportáveis desde meus 5 anos de idade quando perdi minha mãe...
“Não fosse a música eu não teria suportado a minha infância. 

“Depois os problemas de saúde e financeiros do meu pai...

“A música foi a salvação mais uma vez pois consegui aos 18 anos um trabalho na hora certa que me permitiu segurar as despesas todas desde então. 

“Sou uma pessoa extremamente intuitiva que não tem medo de dizer o que pensa e que pede desculpas quando percebe ter cometido algum erro... 

“Uma mulher muito romântica, ultra sensível ,emotiva, sincera, pisciana duas vezes, pois meu ascendente também é peixes, tímida, introspectiva, profunda nos pensamentos e sentimentos e também comunicativa e expansiva quando focada em passar algum recado.

“Tenho muitas características opostas e por isso às vezes assusto as pessoas. Especialmente as que me subestimam. Sou uma rosa e um espinho, sou a calmaria e um furacão... 

“Cresci escutando Pixinguinha, Villa lobos, Adoniran Barbosa - por causa da minha avó que toca piano e do meu pai que adorava Orlando Silva, Nat Kim Cole...

“Lembro de Michael Jackson ainda nos Jackson Five e Donna Summer; esses foram meus primeiros ídolos quando eu tinha uns 4 pra 5 anos.

“Minha mãe morreu e eu me apeguei a Donna Summer, eu a imitava direto e a tinha como referência feminina, queria que ela viesse cuidar de mim já que a minha mãe estava com “papai do céu”... 

“E daí em diante tudo o que era música passou a me chamar a atenção. “De Stevie Wonder passando por Sandra de Sá, Alcione, o Marvin Gaye que virou uma paixão! Tim Maia, Cassiano, são muitos. 

“Entre os da nova geração, admiro muito Alicia Keys e também a Rachelle Ferrel, Jill Scott ... Três “monstras” em talento! 

Estive em 2011 no show da Beyoncé aqui no Rio e sinceramente achei a melhor entreteiner! Uma diva por talento, competência, beleza e dedicação. Uma gigante no palco!
Da MPB a Maria Gadu é incrível, que voz linda! 

“Mas são muitos os nomes a citar e eu ficaria aqui até amanhã. Do rap nacional, por exemplo, vários nomes: Racionais, Edd Wheeler, RZO, Sabotage , Dina Di, Viella 17, Thaide e muitos outros não menos talentosos é claro ! 

“Em casa gosto de ficar relax, porém fico sempre ligada em música.
“Ficar relax pra mim é isso: música... Tenho meu tempo pro piano ...
“Tenho meu tempo pra escutar cds...
“E meu tempo pra ficar cantando junto com os cds...
“Cantar junto com cds sempre foi minha brincadeira predileta de criança e até hoje é! (risos)
“Antigamente eu enchia o saco dos vizinhos e hoje em dia eles agradecem.
“Tem dia que eu não canto e a vizinha bate na minha porta e diz: “E aí? Não vai cantar hoje não?”
“Também faço comida, lavo louça, vou ao supermercado, essas coisas normais que a gente faz em casa...
“Depois que me separei tenho mais tempo pros meus sobrinhos, minha irmã e pra mim mesma.
“Estou enamorada de mim e compondo muito. Durmo depois das 3 da manhã e acordo às 10 horas.

“Percebi isso aos 4 anos de idade quando minha mãe ainda era viva e tive que sair de uma escola.
“Não me adaptei por que apanhava dos amiguinhos na hora do recreio. Diziam que eu era preta e tinham raiva por que eu me destacava nas aulinhas de música. 

“Uma das poucas lembranças que guardo da minha mãe é de uma conversa assim: - Mãe o que é ser preta? E ela me dizendo que eu era morena e linda...Minha mãe foi á escola tentou resolver mas como não paravam de me bater a ponto de eu chegar toda roxa em casa ela me tirou na escolinha. No ano seguinte ela faleceu e meu pai conseguiu uma bolsa numa escola Alemã com a melhor das intenções de ter uma filha falando varias línguas.

“Durei 6 meses nessa escola que ficava em Sta Tereza. Fui acusada de roubo de um adesivo injustamente só por que ganhei um adesivo igual ao de uma aluna e ela resolveu inventar isso para a professora que acreditou nela e me disse que eu não teria condições de ter um igual por que eu era ‘diferente e pobre”.

“Nessa escola nenhuma criança falava comigo direito...Saí dessa escola também. E tive que recomeçar os estudos aos 7 anos direto na primeira serie sem saber ler uma letra sequer...

“Nossa, minha infância, nessa fase, foi só sofrimento...me tornei uma criança insegura e com baixíssima auto-estima...reclusa...sei la; demorei uma vida pra curar isso e na época não teria suportado viver não fosse pela música... “

“Quando fui a primeira vez para os EUA eu me descobri negra e fui valorizada por isso , fui reconhecida entende e sem a menor dúvida e de forma inquestionável e muito natural.
“Ao andar pela rua era “Wasup” pra lá, “Hey Janet Jackson!” pra cá...
“Quase precisei de segurança, sério mesmo! Bizarro!!! Eu olhava pra trás pra ver se era com outra pessoa o caô, sei lá. Até as mulheres me olhavam e falavam: “Exotic, exotic!”
“Na primeira caminhada pela Quinta Avenida andei 4 ou 5 quadras e recebi 5 cartões de visita e todos de negros...Where U from Where U from ? Pensei: - não é possível, estão me confundindo com alguma artista...

“Já adulta tive o lançamento do meu primeiro cd abortado pela gravadora Abril Music e a explicação que ouvi diretamente do presidente dessa gravadora foi a de que ele havia se dado conta de que eu era uma Janet Jackson e na verdade eles queriam uma Britney Spears e na mesma ocasião ele disse que precisava pegar a minha personalidade e colocar numa menina loira que eles haviam contratado e me pediu que fizesse as musicas para essa menina cantar.

“Claro que neguei e pedi a recisão na hora. Ele negou a recisão e precisei esperar mais 2 anos até o contrato vencer.

“Isso me fez perceber que se eu fosse mais escura não teriam me contratado e que na real fui contratada “por engano”...Uns pensavam que eu era branca e outros que eu era Negra...e quando chegaram a uma conclusão veio a tal explicação dita diretamente assim: -Olha você é meio moreninha né como uma janet Jackson e eu preciso de uma Britney...

“Detalhe isso aconteceu no ano 2000. 

“Nos EUA percebi e recebi a valorização por ser negra. Digo a valorização vinda da parte dos negros mesmo.
“Ao entrar em alguma loja com atendentes brancos e negros era automático somente os negros virem me atender e por aí a coisa ia pelos clubes de música etc ...E o mais louco é que eu não chamei a atenção de nenhum branco.

“Minha irmã chegou a se assustar e me disse assim na ocasião: “Agora eu entendo o quanto você se sentia perdida e sem referência na infância e adolescência... Você é Negra porra! Minha irmã é negraaaa (risos)! “

“Isso me fez perceber o quanto ainda precisamos de auto-estima entre nós. O negro aqui, acredita mesmo que o mais clarinho é branco...
“Lá fora não. Nem é questão de tom de pele e de cabelo e sim de traços.
“Passou de branco é negão.
“Eu sinceramente acho o racismo no Brasil muito pior do que nos EUA. Aqui você dorme com o inimigo e nem fica sabendo. 

“O rap é um estilo que reflete a condição das classes menos favorecidas. E a vida das mulheres é muito dura nessas classes. Mulheres são mães de família, muitas vezes mães solteiras e que precisam trabalhar e gerar renda.

“Eu por exemplo abri mão de ser mãe devido às correrias da profissão. Seria impossível gravar meus cds e trabalhar com tantos artistas se tivesse tido filho cedo.

“Somente depois dos 37 anos andei pensando em maternidade. Hoje estou com 41 anos... Acho que esse é um ponto.
“Outro ponto seria que o rap se estabeleceu masculino, falando da realidade dura, do crime; essas coisas.
“O rap se esqueceu do amor, se esqueceu da alegria, do sexo, da dança e essas coisas são fortes na alma feminina.

“Não que não existam mulheres questionadoras e que também falem da realidade dura, apenas não são muitas que possuem esse foco.

“As mulheres precisaram se masculinizar de início para serem respeitadas dentro do estilo, engrossar a voz na hora de rimar enfim, e isso, na minha opinião, não fez com que a alma feminina pudesse fazer parte de verdade desde o início.

“Isso fora o fato de que muitas cantam r&b e tal e isso deveria ter sido aceito desde o começo dentro do rap. Lembro que eu era odiada por muitos na época do meu primeiro cd exatamente por fazer a minha verdade que é misturada ao r&b, pela voz aguda e pela minha aparência mesmo.

“Enfim essa resposta é difícil de dar, mas, acredito que são muitos os fatores que excluem as mulheres do rap. Você vê só, os grupos andam em bandos masculinos e fica difícil até para uma mulher se sentir bem em ir falar com os caras, estar junto... 

“Acho que já passou da hora do rap acordar, se misturar mais e perder o medo de perder essa tal essência que na minha opinião nunca foi tão completa em verdade.

“A ausência das mulheres prejudica não só as mulheres mas sim o estilo Rap por completo que fica desfalcado e com isso deixa de se propagar de maneira inteira e verdadeira. 

“Pergunte a um leigo, o nome de alguns rappers nacionais e ele vai dizer mais de um. Agora pergunte o nome de uma rapper e veja o que acontece: “Einh? Rapper mulher? Isso existe?”

“Como um estilo musical pretende crescer de forma verdadeira e completa se até bem pouco tempo a feminilidade era algo definitivo para que uma mulher não fosse respeitada dentro do rap?

“Lembro bem do impacto que um poster do meu primeiro cd teve lá na galeria 24 de maio em SP no ano 2000.

“Passei por lá um dia e um cara de uma loja me chamou e disse: “Ei você é essa ai desse poster? Soube que estava aqui na galeria e coloquei o cd...Intuitiva né...Pô mina muito bom mesmo...Mas olha desculpa aí tô com esse seu poster aqui faz tempo e tipo nem quis escutar seu cd tá ligada...Pensei, essa mina ai é linda demais e deve ser mais uma mentira fabricada e ruim pra caramba...Pô da hora...Mas vem cá mas quem faz essas músicas pra você?” É isso. 

 O que você acha da Nega Gizza, Negra Li , Dina Di, Rubia? Qual a importância dessa mulheres para o Hip Hop? 

“Todas elas são muito talentosas! São filhas do rap, mulheres que conseguiram se impor dentro de um cenário masculino e devagar foram introduzindo a feminilidade ao seguimento. Adoro e admiro todas elas. Sou fã das vozes poderosas e das letras que essas mulheres escrevem e sinceramente sinto demais a partida da Dina Di para o outro plano pois ela sempre foi um referencial muito forte pra mim. Não éramos amigas, mas tive numa ocasião uma longa conversa com ela em SP por telefone na época em que eu estive fazendo show de pré-lançamento por lá. Ela me disse sobre sua formação musical, da vontade que tinha de assumir mais o canto...Conversamos mais de uma hora, mas acabamos sem conseguir nos encontrar. Jamais esquecerei essa conversa...Admiro demais a Obra da Dina Di!
“Não gosto de falar perda, então digo essa falta será eternamente sentida. Acho que nós mulheres deveríamos interagir mais entre nós.

“Minha formação vem do útero da minha mãe que tocava piano lindamente.
“Aos meus 5 anos de idade ela faleceu e eu aprendi a tocar sozinha, por amor e pela falta imensa e profunda que eu sentia dela.
“Fui autodidata até os 13 anos tocando música clássica de ouvido, mas só nas férias e feriados pois eu não tinha piano em casa e precisava ir para MG pra tocar no piano da minha avó.

“Depois entrei pra escola de música gratuita Villa Lobos quando meu pai conseguiu comprar um piano. Depois parei; fiquei sem piano um tempo e agora estou retomando os estudos devagar, só que em vez de clássico estou aprendendo harmonia e canções populares, cantando e tocando junto finalmente e estou amando isso! 

“Música pra mim nem se divide em estilos, pra mim é assim: tem música boa que toca a alma da gente e tem música ruim que incomoda. 

“Naturalmente acabei me influenciando mais pelo r&b, soul, funk e rap, mas também pela música pop e pela MPB Djavan, Tim Maia, Jorge Benjor, Sandra de Sá - que sempre foi minha referência feminina maior e hoje em dia tenho a alegria em tê-la como amiga. 

“Beleza é bom mas pesa e tem um preço.
Pra começar na música foi muito difícil. As pessoas menosprezam o talento e a competência de alguém com uma aparência que causa impacto. E o olhar do menosprezo seguido de um elogio a sua aparência é algo complicado de se combater. Pra mim, durante muitos anos, cheguei em lugares e recebi esse olhar e somente depois de ter a chance de abrir a boca e cantar é que conseguia exatamente o inverso disso. Ai vinha a perplexidade exagerada: "Nossa você canta mesmo!"... Seguida da pergunta crucial: “Mas vem cá gata, quem faz essas músicas pra você?” 

“Hoje já falo disso com mais tranquilidade, mas foi muito difícil obter o respeito e a credibilidade das pessoas. E de vez em quando ainda é.

“E tem ainda um outro ponto. Trabalhar com música exige que você lide com músicos, conheça pessoas com tranquilidade, interaja com elas para troca de informações etc. E eu estou sempre sujeita de estar conversando com algum homem e isso gerar comentários maldosos. Haja paciência!
“Mas é isso que acontece. Procuro sempre conhecer as esposas, tomo todos os cuidados mas é difícil. O disse-que-disse é forte, e isso afeta muitas vezes até mais a vida de alguns homens que mesmo estando em contato comigo com respeito profissional e pura amizade, sofrem também essa pressão. São mal interpretados pelos olhos alheios...

“Se vem um, simplesmente me cumprimentar no respeito ou assistir meu show, no dia seguinte tá meio mundo falando...

“Se gravo algo romântico com alguém, pronto!  Lá vem BO (Boletim de Ocorrência) que nem é meu. (risos) E a vida segue assim. Às vezes fico incomodada em não poder ficar conversando com algumas pessoas que eu admiro e trocar informações com tranquilidade sem esse peso de tantos olhares julgando o tempo todo e acabo me afastando, deixando de interagir e isso é triste...Não suporto ser tolhida pelas pessoas mas precisei ficar mais esperta com o efeito que minha presença pode causar. 

“E o pior de tudo é saber que infelizmente isso é algo que não tem jeito da gente controlar. Um jeito é evitar conversar com somente um, quando tem mais gente junto é sempre melhor, embora às vezes nem adiante muito... Assino BO toda hora e de bobeira. Tô lá conversando algo construtivo, falando de música e depois neguim tem assunto pra um ano: “Viu só fulaninho dando ideia na Hannah” ou “A Hannah dando assunto pra beltrano!” 

“Tenho muita raiva disso, mas acho que tô finalmente começando a ligar o foda-se! BO? Me dá ai que eu assino e cala a boca! Agora então que tô solteira assino sem dó.

O movimento Hip Hop está num bom momento? 

“Sinceramente acho que não, apesar de eu ver muitos trabalhos com qualidade.

“Se for ver pelo número de grupos e rappers que vivem da sua arte a coisa fica feia. Praticamente ninguém vive de rap. 

“Estamos em 2014! Eu só verei luz para o rap na hora em que eu perceber os artistas encarando o rap como música e se misturando sem medo...Invadindo geral! Isso acho que demorou, mas está começando a acontecer, só que entra a questão das rádios não tocarem, do mercado ser dominado há anos por gravadoras e empresários musicais de outros estilos menos compromissados enfim... É uma luta difícil e complicada!

“Talentos nunca irão parar de surgir no rap e acho que se daqui pra frente o Rap, o R&B, o Soul, o Funk tradicional e o carioca, o samba, a Música Preta Brasileira de qualidade... Se geral tiver interagindo por amor a música e sem preconceitos a coisa pode começar a mudar.Se está difícil para o geral da música, pro rap está mais difícil ainda. Escuto muitas pessoas que curtem rap reclamando da infra- estrutura dos eventos de rap, falta de cuidados, banheiros sujos, falta de qualidade de som. 

“Vejo que falta profissionalismo não só para os produtores de eventos mas também para muitos grupos que ainda vão de graça tocar, não passam o som, os shows são fechados de boca e sem contratos.
“É preciso profissionalismo por parte dos organizadores de eventos e por parte de muitos rappers também. Outro dia uma produtora entrou em contato pra eu fazer um show antes dos Racionais aqui no Rio de Janeiro no mês passado em 2010. Passei o telefone da minha produção e meu produtor me disse que tudo deveria ser fechado de boca, nem e-mail eles respondiam, diziam que meu nome já estava no flyer mesmo sem a gente ter fechado os detalhes, não sabiam nem o que era rider, mapa de palco e imput list, enfim, mil coisas erradas e aí decidi cancelar a parada uma semana antes. Não dá pra ir com sua equipe pra um local sem nada garantido. Mas muitos grupos fazem isso e por isso as coisas acabam acontecendo sem qualidade.

Quais foram os livros que te marcaram? Cite no máximo dez.

Bom quando criança me lembro foram:
1- O Pequeno Príncipe,
2- A fada que tinha ideias, Polyana,
3- Coleção Sitio do Pica- pau Amarelo (de Monteiro Lobato).
Na adolescência:
4- Malcom X e depois muitos outros: Leonardo Boff como
5- A voz do Arco Iris,
6- A Águia e a Galinha.
7- O Vôo da Águia etc.
8- Todos os do Deepak Chopra - Como conhecer Deus,
9-Buda, As sete leis espirituais para o sucesso entre outros. 
10- Os do Paulo Coelho vários! Chico Xavier vários também!

11- O Poder da Caballa, O caminho, e muitos sobre a Caballa.

12- Cabeça de Porco, pelo conteúdo dos seus textos e os do Bill somados às reflexões contundentes do Luis Eduardo Soares. E por ser o primeiro livro de um amigo querido.
Vixe, passei de 10, e nem sei se falei os que mais marcaram. (Risos)

Você acha que ter uma religião é fundamental ?

“Religião em si não. Mas acreditar em Deus como uma força superior sim. Acreditar Nele como uma força criativa de Amor e de justiça que está presente em tudo. E saber que agindo com Amor você está agindo com Deus.
Em tudo e especialmente nos conflitos é preciso Amor. Por que só o amor desarma e faz justiça. 

“Acho que o ateu sofre bastante e se torna uma pessoa sem esperança e por vezes até amarga e descrente de justiça pois há coisas que só se explicam com Deus, e com a crença em uma existência além desse planeta Terra.

“Desde criança aprendi com meu pai que era Rosa Cruz a conversar com Deus como meu protetor maior.

“Eu falo Direto com Ele na maior intimidade. Agradeço pela saúde e por tudo, entrego questões da vida nas mãos Dele, peço proteção, peço pelos que sofrem ... E faço isso sempre quando vou dormir e também quando acordo.
DEUS! Essa é a minha religião.

Você acredita que o Brasil é viável? 

“Claro que sim. Somos um país lindo, com riquezas naturais e em cultura. O problema aqui foram esses anos e anos de governos que só privilegiavam as classes mais altas, a ditadura, a maneira injusta com que essas quadrilhas de políticos só beneficiam a eles mesmos... 

“Precisamos conseguir educação igual para todos. Acho que o caminho para um país melhor está aí. Por que pra essa elite de ladrões nunca interessou ter um povo instruído? Exatamente para que eles pudessem continuar lesando um povo que não tem nem como saber cobrar o que lhes é de direito.
Isso sem falar que o crescimento de uma nação enquanto potência mundial é inviável sem que haja nesse país justiça em amplos sentidos.

Que foi o melhor politico?

“Digo Jesus Cristo por ter sido um homem que praticou o AMOR.
Políticos precisam é de amor no coração. Pois o Amor é Respeito, é senso de justiça, é honestidade, é a vontade de trabalhar para o bem do próximo... E pra mim é isso que um político precisa ter no coração.

Fale sobre... 

SEXO 

“Melhor com amor, com sentimento, pois é um momento de conexão máxima entre duas pessoas. Um se perde pra dentro do outro, as almas se tocam, se encontram. É um momento de transcendência, intenso, profundo.
“Pra ser melhor o sexo tem que ser verdadeiro assim como uma celebração do enamoramento e do encantamento entre duas pessoas.
Mas também pode acontecer de forma mais instintiva e somente pelo desejo carnal. Nesses casos corre-se o risco de ser bom ou ruim, porém sempre superficial.


VIRGINDADE 

“Acho uma sacanagem o que fazem com as mulheres. Quando criança se aprende que seu corpo é de um jeito e que um belo dia quando crescer vai ter que escolher um cara que será o primeiro a mudar seu corpo arrebentando uma tal membrana e que isso irá sangrar e doer pra
caramba !!! PQP! Por que dizem isso pra gente dessa forma?

“Eu quando criança, simplesmente achava um horror! Pensava poxa como eu vou ter que escolher esse cara e deixar ele fazer isso comigo? Mudar o meu corpo? Depois irei me lembrar disso e dele pra sempre e por isso ele tem que ser o amor da minha vida?! Como eu vou saber? Na adolescência lá pelos 16, 17 era um dilema isso. Tive meu primeiro e único namorado da adolescência dos 16 aos 19 anos. Eu amava o cara e ele também me amava mas quem disse que eu conseguia? Na hora H eu travava... Meus Deus coitado dele... Sofreu horrores. 

“Ele nem foi meu primeiro mas pra mim deveria ter sido e de uma certa forma até foi. Pois foi primeiro beijo, primeiro amasso... Mas só percebi que ele já era meu primeiro depois que ele não foi. Meu medo era grande demais pra ir até o fim com ele. Eu tinha medo da invasão, tinha medo de me arrepender sei lá. 

“Apesar disso comigo acabou sendo com a pessoa certa e na hora certa em que eu estava pronta e mais segura, Madura mesmo, e sem nenhum medo.Tanto que fiquei com ele 14 anos. Só que eu tô até hoje querendo saber do tal sangue e da tal membrana que arrebenta.

“Na época fui ao médico: “Doutor, eu juro que era virgem só que não sangrou e nem senti arrebentar nada, o que aconteceu?! E ai ele explicou que eu tinha hímen complacente! (Risos) 

“Virgindade na minha opinião não deve ser um tabu, e nem algo seguido por causa de religião mas acho válida uma educação para a responsabilidade e calma nessa hora.
“Porque você chega na adolescência e seu amigo(a) já não é mais virgem, e o outro também não e você começa a ser cobrado. Começa a se sentir mal por ser virgem e acaba querendo resolver logo isso de qualquer maneira . Não acho isso bacana. Cada um tem seu tempo. Eu fui a última das últimas e não me arrependo. Acho que o legal é você educar seu filho ou sua filha dizendo meu filho na sua hora você vai saber! E quando souber faça com responsabilidade e tomando cuidado.


FAMÍLIA 

“É Tudo. Família é o amor incondicional, é o alicerce da gente... Infelizmente a minha é pequena e foi desestruturada muito cedo.

“Minha mãe se foi quando eu tinha apenas 5 anos e minha irmã 4. Fomos criadas por meu pai, Wander Batalha Lima,que foi um herói. Foi pai e mãe! Nunca se casou de novo... Ele era um homem bravo, ríspido mas também incrivelmente amoroso, bondoso e justo.
“Fazia a gente dormir todas as noites e não permitia que dormíssemos brigadas. Lá em casa só se dormia em paz, não tinha essa de ficar dias sem se falar não.
“Meu pai foi um homem de verdade. Meu herói partiu para o outro plano há 7 anos atrás (2003), quando eu tinha 32 anos, aos 78 anos, e teve uma velhice complicada, muito sofrida. Por causa de um enfisema pulmonar e da esclerose fomos perdendo ele aos poucos. Dos 30 aos 32 anos houve muito sofrimento.

Quando crianças e adolescentes ficávamos com ele aqui no Rio e nas férias íamos para MG ficar com a nossa avó materna: a vovó Dilma - que hoje está com 92 anos e é uma avozinha linda, lúcida, tem e sempre teve a cabeça à frente do seu tempo.
Ela é minha heroína e exemplo de mulher. Às vezes me pego pensando em como eu seria se tivesse tido minha mãe e meu pai por mais tempo... Acho que eu seria diferente especialmente se tivesse mãe viva.

Hoje em MG vivem minha avó, meus tios por parte de mãe e meus 5 primos.

Aqui no Rio no dia-a-dia somos só eu, minha irmã Aninha Lima e os meus sobrinhos Tom e Davi, que eu amo demais! 

E tem também o meu ex-marido que é uma pessoa linda e a Carol - filha dele do primeiro casamento - e um pouco minha filha também pois ela tinha apenas 3 anos no início do meu casamento e hoje já está uma mulher com 23 anos. Amo demais os dois.



CASAMENTO 

“Meu casamento foi super bem sucedido. Começamos a namorar em 1993 (eu tinha 22 anos) e fomos morar juntos em 1994, assim meio que sem querer ser casado e sim por força das circunstâncias também. Dividindo o apartamento, as contas...

“Namorei um ano e fui morar junto no ano seguinte. Nos amamos muito! Vivemos felizes e intensamente um casamento que durou 14 anos, até os meus 36 anos.
“Casamento pra dar certo tem que ser uma parceria, tem que haver respeito com o espaço e a individualidade do outro e também muito amor e confiança. Meu casamento foi assim até o final. 

“Mas como tudo tem um tempo pra durar, infelizmente para continuarmos felizes, precisamos dar o tiro no coração e separar.
“Viramos amigos, irmãos sei lá... Foi e é muito difícil uma separação assim. É como viver uma morte que você mesma está escolhendo matar. Dói demais...demais mesmo, mas depois melhora. E a amizade fica, o amor também fica em forma incondicional e a vida segue. 

“Sou a favor do casamento mas somente de um casamento sem hipocrisia e sem traição como foi o meu.

“Não entendo por que grande parte dos casais vivem em conflitos que envolvem sempre uma possível traição de um e a constante desconfiança do outro. Pra que ser casado assim? Pra que até mesmo namorar nesse clima? Se decidam caramba ou combinem novas regras sei lá é muita hipocrisia isso. 

“Hoje eu não digo que não me casarei de novo porém como me casei cedo, aos 22 anos, hoje eu quero aprender a ser solteira pra me conhecer melhor sozinha, me reconhecer vivendo a experiência de ser solteira .

“Preciso disso para o meu crescimento neste momento e é o que a vida está exigindo de mim.  Namorar é bom. Se arrumar sem o cara estar te vendo, ficar linda e ir se encontrar com ele... Essas coisas se perdem com o tempo no casamento.

“De todo modo, morando junto ou separado, as coisas comigo acontecem de maneira profunda, não sei ficar com alguém por ficar, até porque eu fico muito bem sozinha e não me encanto facilmente por alguém infelizmente...
“Mas quando acontece mergulho sem medo pois se sofrer faço música e me sinto viva...e se viver a felicidade também faço música e me sinto vivíssima!

Qual sonho você não vai realizar ? 

“Cantar com o Michael Jackson pois ele se foi, esse é um; mas deixa eu ver... Ah sei lá, eu acredito que irei realizar tudo! Tudo o que eu ainda nem sei que quero! 

Missão de vida
“Só consigo sonhar acreditando que vou realizar entende?! Pode ser a coisa mais aparentemente impossível, se eu sonhar é por que acredito que irei realizar. Sei lá como, mas irei! Quando eu sonho uma parada aquilo já se torna uma realidade pra mim, já é real mesmo dentro de mim e da minha cabeça então não sei dizer...Só sei sonhar acreditando. 

“Eu sonho em viver num mundo sem injustiça, onde todos tenham os mesmos direitos, onde não haja maldade, desonestidade e nada de ruim.Um mundo onde o Amor seja algo comum a todos, lei que não precise ser imposta ou seguida porque alguém falou ou porque diz a Bíblia e sim por que todos terão naturalmente o amor no coração.

“Até esse sonho eu digo que irei realizar pois se não for nesse planeta Terra será em algum outro lugar, outra dimensão ou daqui a muitas e muitas vidas sei lá...Eu acredito em todos os meus sonhos até porque pra mim "impossível” é apenas uma opinião.”

- Muito obrigado, querida amiga Hannah por me permitir compartilhar no meu blog, um pouco da sua vida e carreira artística. Você é uma pessoa iluminada. (Jorge Purgly)